Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.441,03
    -634,97 (-0,49%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.286,46
    +400,16 (+0,79%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,99
    +0,08 (+0,11%)
     
  • OURO

    1.877,80
    -1,80 (-0,10%)
     
  • BTC-USD

    38.862,32
    +3.115,84 (+8,72%)
     
  • CMC Crypto 200

    924,19
    -17,62 (-1,87%)
     
  • S&P500

    4.247,44
    +8,26 (+0,19%)
     
  • DOW JONES

    34.479,60
    +13,40 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.134,06
    +45,88 (+0,65%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,23 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    28.948,73
    -9,87 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    14.019,75
    +25,50 (+0,18%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1933
    +0,0398 (+0,65%)
     

Chile decide restringir AztraZeneca a maiores de 45 anos

·1 minuto de leitura
(Arquivo) Vacina AstraZeneca/Oxford em farmácia no oeste da França

O Ministério da Saúde do Chile (Minsal) anunciou nesta quinta-feira que, após um caso de trombose em um homem de 31 anos, decidiu aplicar a vacina contra a Covid-19 AstraZeneca apenas em maiores de 45 anos.

Segundo o ministério, foi notificado na última terça-feira que o homem apresentou um quadro de trombose e trombocitopenia após receber a primeira dose do imunizante. Não foi informado seu estado de saúde atual.

"Como medida preventiva, decidiu-se como autoridade sanitária alterar a idade de administração da vacina até que se obtenham os resultados da investigação", informou o Minsal.

Mais de 326 mil doses da AstraZeneca já foram aplicadas no Chile. Ela era administrada preferencialmente em pessoas com mais de 55 anos, para evitar o risco de trombose, reportado também em outros países.

Além desse imunizante, o Chile aplica as vacinas Sinovac, Pfizer/BioNTech e CanSino. O país é um dos que levam adiante com maior velocidade o processo de vacinação, com 10,8 milhões de pessoas já tendo recebido ao menos a primeira dose, em uma população-alvo de 15,2 milhões.

O contágio, no entanto, segue em alta. Foram reportados hoje 8.150 novos casos da doença e 213 mortos, com 3.219 pacientes internados em UTIs, 77% deles ainda não vacinados.

pa/mls/gm/lb