Mercado abrirá em 3 h 53 min
  • BOVESPA

    108.843,74
    -2.595,62 (-2,33%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.557,65
    -750,06 (-1,46%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,33
    +1,04 (+1,48%)
     
  • OURO

    1.765,10
    +1,30 (+0,07%)
     
  • BTC-USD

    43.217,37
    -1.766,44 (-3,93%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.084,81
    -49,58 (-4,37%)
     
  • S&P500

    4.357,73
    -75,26 (-1,70%)
     
  • DOW JONES

    33.970,47
    -614,41 (-1,78%)
     
  • FTSE

    6.975,62
    +71,71 (+1,04%)
     
  • HANG SENG

    24.221,54
    +122,40 (+0,51%)
     
  • NIKKEI

    29.839,71
    -660,34 (-2,17%)
     
  • NASDAQ

    15.143,50
    +134,00 (+0,89%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2897
    +0,0450 (+0,72%)
     

Chile dará dose de reforço contra Covid-19 a pessoas inoculadas com CoronaVac

·1 minuto de leitura
Homem recebe dose da CoronaVac em Santiago

SANTIAGO (Reuters) - O Chile começará a administrar doses de reforço a pessoas já inoculadas com a CoronaVac, informou o presidente Sebastián Piñera nesta quinta-feira, já que estudos mostraram que as duas doses iniciais perdem parte da eficácia depois de alguns meses.

O Chile lançou uma das campanhas de inoculação em massa contra Covid-19 mais rápidas do mundo em fevereiro, e já vacinou totalmente mais de 60% de sua população, a maior parte com a CoronaVac, do laboratório chinês Sinovac.

"Decidimos iniciar um reforço da vacinação daqueles que já receberam as duas doses da vacina Sinovac", disse Piñera em um pronunciamento televisionado.

O país começará a administrar uma dose adicional da vacina da Astrazeneca no dia 11 de agosto, iniciando com cidadãos de mais de 55 anos que receberam suas doses antes de 31 de março.

O Chile se junta a Estados Unidos, Alemanha e França, desconsiderando um apelo da Organização Mundial da Saúde (OMS) para que não se administrem vacinas de reforço até mais pessoas de todo o mundo serem vacinadas.

A subsecretária de Saúde chilena, Paula Daza, disse que estudos domésticos e internacionais sugerem que as doses de reforço ajudariam a reforçar a imunidade, mas que o Chile já doou vacinas a seus vizinhos e continuará a auxiliar conforme for necessário.

"Estamos sempre analisando as recomendações, e obviamente a possibilidade de cooperar com outros países latino-americanos", disse ela.

O número de chilenos mortos pela pandemia está em 35.806, e houve cerca de 1,6 milhão de casos confirmados no total até agora.

(Por Dave Sherwood e Fabian Cambero)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos