Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.773,62
    +1.067,71 (+0,88%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.218,17
    +388,86 (+0,80%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,35
    +1,53 (+2,40%)
     
  • OURO

    1.843,30
    +19,30 (+1,06%)
     
  • BTC-USD

    50.251,95
    +1.627,98 (+3,35%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.407,59
    +49,03 (+3,61%)
     
  • S&P500

    4.173,85
    +61,35 (+1,49%)
     
  • DOW JONES

    34.382,13
    +360,68 (+1,06%)
     
  • FTSE

    7.043,61
    +80,28 (+1,15%)
     
  • HANG SENG

    28.027,57
    +308,90 (+1,11%)
     
  • NIKKEI

    28.084,47
    +636,46 (+2,32%)
     
  • NASDAQ

    13.401,50
    +301,25 (+2,30%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3997
    -0,0128 (-0,20%)
     

Chile busca promover hidrogênio verde com fundo de US$ 300 mi

Eduardo Thomson e Daniela Sirtori-Cortina
·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Um grupo chileno prepara um fundo de US$ 300 milhões para impulsionar o desenvolvimento do hidrogênio verde como ferramenta na transição para uma energia mais limpa.

A Fundación Chile, uma ONG público-privada com foco no desenvolvimento sustentável, está captando recursos para investir em projetos de hidrogênio verde que, em dois ou três anos, começarão a dar lucro. O lançamento está previsto para o próximo ano, com a meta de investir em 12 a 15 projetos, disse o diretor-presidente da Fundación Chile, Marcos Kulka, em entrevista.

O hidrogênio verde, que ao contrário de sua versão cinza é produzido a partir de energia renovável, ganha força como alternativa aos combustíveis fósseis nas operações industriais e no transporte. Empresas da Califórnia ao Chile estudam como usá-lo, e governos esperam promover o desenvolvimento do combustível verde. Os custos são um dos obstáculos.

O boom do hidrogênio verde “veio para ficar”, disse Kulka. “Onde vemos uma brecha na qual podemos contribuir é abrir caminho para acelerar projetos que sejam comercialmente viáveis.”

O Chile, um grande exportador de matérias-primas e com setores de rápido crescimento como energia eólica e solar, quer liderar as exportações de hidrogênio, visando 25 gigawatts de capacidade de eletrólise e os preços mais baratos do mundo até 2030. Em comparação, a União Europeia, cuja economia é muito maior que a do Chile, mira 40 gigawatts no mesmo período, segundo a BloombergNEF.

O governo chileno planeja conceder US$ 50 milhões em subsídios este ano com o objetivo de reduzir o custo da eletrólise e aumentar a produção. Autoridades querem fomentar a indústria local de hidrogênio para ajudar a cumprir a meta do país de se tornar neutro em carbono até 2050 e ajudar empresas na transição em um momento de crescente escrutínio por parte dos investidores.

A Fundación Chile se concentrará em captar recursos de compradores potenciais, como empresas de mineração que buscam deixar o diesel. Existem cerca de 30 projetos identificados, disse Kulka, e o objetivo é mostrar que podem operar a preços competitivos. O fundo irá avaliar a aquisição de participações acionárias em projetos ou fornecer dívida conversível.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.