Mercado abrirá em 8 h 51 min

Chile avalia ajuda financeira para projetos de hidrogênio verde

Eduardo Thomson
·2 minutos de leitura

(Bloomberg) -- O governo do Chile estuda maneiras de aumentar a atratividade de projetos de hidrogênio verde em meio à iniciativa do maior produtor mundial de cobre de se tornar neutro em carbono.

“Estamos elaborando um mecanismo que esperamos anunciar nos primeiros dias de novembro”, disse o ministro de Energia, Juan Carlos Jobet, em entrevista em Santiago. “Tem a ver com aporte financeiro para permitir que investidores tenham retorno durante as fases iniciais dos projetos.”

O hidrogênio verde - produzido pela extração do gás da água usando eletrolisadores movidos a energia eólica e solar - é visto como fundamental para eliminar emissões de carbono do setor industrial, que agora depende do gás natural como fonte de combustível e matéria-prima.

Aumentar a produção chilena ajudaria o país a cumprir sua meta de se tornar neutro em carbono até 2050, como também facilitar a migração de mineradoras para um combustível mais limpo em um momento de crescente escrutínio de investidores. A produtora de cobre Antofagasta disse nesta semana que estuda usar caminhões movidos a hidrogênio.

O ministro tem conversado com investidores internacionais para mostrar os benefícios da produção do combustível no Chile, que possui considerável capacidade solar no norte do deserto do Atacama e eólica no sul. A construção de uma primeira unidade de produção eólica de hidrogênio na região de Magallanes, no extremo sul do Chile, deve começar antes do fim do ano, disse Jobet.

Inicialmente, o custo seria entre US$ 5 e US$ 6 por quilo, mas o governo espera que o custo caia para menos de US$ 1,50 por quilo antes do final da década, disse Jobet.

Outros países encontraram maneiras de baratear o combustível. Portugal anunciou que poderia começar a produzir hidrogênio verde a US$ 4 o quilo usando energia eólica. Para competir com o hidrogênio produzido a partir de combustíveis fósseis, o custo teria que cair para menos de US$ 1 por quilo, de acordo com a BloombergNEF.

Jobet disse que os investidores com quem falou não mostraram preocupação com a votação dos chilenos sobre uma nova Constituição em outubro, mesmo com o impacto da questão sobre o valor do peso.

“O Chile assinou tratados internacionais com países que representam 86% do PIB global, com cláusulas que protegem o investimento estrangeiro”, disse Jobet. “A nova Constituição não vai apagar nada disso.”

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2020 Bloomberg L.P.