Mercado fechará em 6 h 27 min
  • BOVESPA

    112.259,73
    +2.010,00 (+1,82%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.828,13
    0,00 (0,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,70
    +1,21 (+1,72%)
     
  • OURO

    1.773,90
    -4,30 (-0,24%)
     
  • BTC-USD

    42.299,17
    -662,95 (-1,54%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.055,00
    +14,52 (+1,40%)
     
  • S&P500

    4.375,36
    +21,17 (+0,49%)
     
  • DOW JONES

    34.141,42
    +221,58 (+0,65%)
     
  • FTSE

    7.075,46
    +94,48 (+1,35%)
     
  • HANG SENG

    24.221,54
    +122,40 (+0,51%)
     
  • NIKKEI

    29.639,40
    -200,31 (-0,67%)
     
  • NASDAQ

    15.065,25
    +41,25 (+0,27%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1938
    +0,0147 (+0,24%)
     

Chevron vê pré-sal como ativo cobiçado, diz presidente no Brasil

·1 minuto de leitura
Logo da Chevron

HOUSTON (Reuters) - A norte-americana Chevron vê o pré-sal brasileiro como um ativo cobiçado no qual a empresa enxerga potencial para expansão, disse o presidente da empresa no Brasil, Mariano Vela, nesta terça-feira durante a Offshore Technology Conference (OTC, na sigla em inglês) em Houston.

Vela disse que o "capítulo do pré-sal" pode ser o mais importante para a história da Chevron no Brasil, onde a empresa está há mais de um século.

"Queremos um pedaço disso", disse Vela em um painel sobre a região marítima do Brasil durante a OTC.

A Chevron adquiriu participações em 11 projetos em águas profundas nas bacias de Campos e Santos desde 2018, com a maioria das atividades atuais em fase de exploração.

O governo brasileiro planeja realizar um leilão na área do pré-sal em dezembro, oferecendo licenças para dois blocos. Vela não disse diretamente se a Chevron planeja fazer uma oferta no leilão.

Os mesmos blocos - Sepia e Atapu - foram oferecidos no leilão de 2019, mais não houve interesse de investidores. A Chevron e outras na época afirmaram que os valores cobrados pelos ativos eram muito altos e que havia incerteza regulatória.

Vela disse nesta terça-feira que incentivos melhoraram desde então, o que inclui redução de 70% no tamanho dos bônus de assinatura. Porém ainda precisa haver melhorias na regulamentação e incentivos financeiros para tornar novos projetos de petróleo no país mais atrativos, ele disse. Combustíveis fósseis agora devem competir com fontes mais limpas de energia, acrescentou.

"A janela (para investir em petróleo) não irá permanecer aberta para sempre", disse Vela.

(Por Sabrina Valle e Marianna Parraga)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos