Mercado fechado

Chevrolet e Ford perdem clientes nos EUA pela falta de sedãs e hatches

feedback@motor1.com (Christopher Smith)
Chevrolet Cruze 2019

Boa parte dos donos de Cruze Sport6 e Focus estão trocando seus carros por equivalentes de outras marcas

Não há dúvidas de que a decisão da Ford e da General Motors de encerrar a oferta de alguns hatchbacks e sedãs nos Estados Unidos é bem controversa. A Ford em particular abandonou completamente estes segmentos no país, para investir apenas em SUVs, crossovers e picapes. Na teoria, a ideia é que os clientes continuem leais a marca e escolham um utilitário ao invés de um hatch. Porém, uma análise feita pelo site Edmunds sugere que boa parte dos compradores deixaram a Ford e a GM de lado para comprar um carro da concorrência, já que eles ainda oferecem o tipo de veículos que eles querem.

A decisão de Ford e GM

O estudo usou como base os donos de Ford Focus e Chevrolet Cruze Sport6, dois hatches bem conhecidos e que saíram de linha nos Estados Unidos. Observando diversos fatores desde o fim da oferta da dupla até setembro de 2019, o Edmunds determina que 42% dos donos destes veículos não compraram um SUVs. Mais especificamente, 23% dos donos de Cruze deixaram a Chevrolet e comprar carros de outra fabricante. O número é ainda maior no caso do Focus, chegando a quase 33% de ex-donos do hatch médio que largaram a Ford.

Para onde estes consumidores foram? O estudo não diz exatamente, mas aponta que "equivalentes competitivos como Toyota Corolla e Honda Civic - dois carros que continuam entre os 10 mais vendidos dos EUA, apesar do crescimento dos SUVS". O estudo ainda menciona que uma parcela destes clientes realmente decidiu comprar um crossover, mas de marcas como Jeep, Hyundai ou Kia.

O estudo ponta que há uma parte dos clientes que continuou leal à Ford e GM. Cerca de 21% dos donos do Cruze teriam adquirido um SUV da empresa, como Tracker ou Equinox, enquanto 18% dos proprietários da Ford foram para modelos como EcoSport e Escape. Ainda assim, as duas fabricantes estão perdendo clientes que não querem pagar o preço extra normalmente cobrado por um SUV, mesmo em opções de entrada como EcoSport ou Tracker, que tem valor inicial acima de US$ 20 mil (aproximadamente R$ 83,6 mil). E mesmo que os segmentos de sedã e hatches médios estejam encolhendo, eles ainda representam 4,5 milhões de unidades no acumulado de 2019, um número bem expressivo e que mostra que ainda tem muita gente interessada nestes tipos de carros.

Será que esta estratégia de investir apenas em SUVs e picapes dará certo no futuro? Apesar o tempo irá dizer mas, no lugar dos executivos da Ford e da GM, estaríamos bem preocupados com números como esses.