Mercado abrirá em 9 h 23 min
  • BOVESPA

    118.811,74
    +1.141,84 (+0,97%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.352,18
    -275,49 (-0,58%)
     
  • PETROLEO CRU

    59,98
    +0,28 (+0,47%)
     
  • OURO

    1.733,90
    +1,20 (+0,07%)
     
  • BTC-USD

    60.626,54
    +819,93 (+1,37%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.296,06
    +1,48 (+0,11%)
     
  • S&P500

    4.127,99
    -0,81 (-0,02%)
     
  • DOW JONES

    33.745,40
    -55,20 (-0,16%)
     
  • FTSE

    6.889,12
    -26,63 (-0,39%)
     
  • HANG SENG

    28.834,06
    +380,78 (+1,34%)
     
  • NIKKEI

    29.848,41
    +309,68 (+1,05%)
     
  • NASDAQ

    13.816,50
    +7,75 (+0,06%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,8192
    -0,0113 (-0,17%)
     

Cheques do plano Biden podem acabar na bolsa e no mercado de bitcoin

·3 minuto de leitura

O mega-pacote de estímulo à economia do presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, começará a irrigar a economia americana em breve e alguns analistas afirmam que grande parte do US$ 1,9 trilhão pode acabar investido na bolsa ou até mesmo em bitcoins.

Ao longo do fim de semana, o governo começou a enviar os pagamentos diretos em cheques de US$ 1.400, que irão para quase todo mundo nos Estados Unidos.

Cerca de US$ 400 bilhões em pagamentos serão enviados diretamente a famílias, destinados a indivíduos que ganham menos de US$ 75.000 por ano ou casais que juntos recebam até US$ 150.000, assim como seus filhos.

E isso não inclui os créditos sobre impostos por filhos ou benefícios ao desemprego contemplados no plano, que também prevê financiamentos para conter a covid-19, acelerar a vacinação, ajudar na reabertura das escolas e ajudar empresas, governos estaduais e locais.

O montante dos pagamentos diretos de até US$ 5.600, livre de impostos, para uma família padrão de quatro pessoas, visa, segundo autoridades, a impulsionar a economia americana.

Mas a maioria dos americanos diz que ao invés de gastar, pretende usar o dinheiro para pagar dívidas, poupar ou investir, segundo uma pesquisa do Bank of America, que entrevistou 3.000 pessoas.

O banco descobriu que 30% usarão o dinheiro para pagar suas dívidas, 25% para engordar as economias e 9% querem investi-lo.

Estes recursos "ficarão no sistema financeiro e não criam demandas por produtos e serviços na economia real", revelou a pesquisa.

Com apenas 36% dos entrevistados dizendo que pretendem gastar os cheques, "não está claro quem estará fazendo o consumo voraz e sustentado que os mercados agora incluem na conta".

Os principais índices da bolsa bateram novos recordes em dois dias seguidos depois que Biden sancionou o plano de estímulo na semana passada, enquanto os investidores apostam em que a corrida por fundos irá incentivar uma rápida recuperação da maior economia do mundo.

- O fator bitcoin -

A Mizuho Securities descobriu que cerca de 10% do plano de estímulo - aproximadamente US$ 40 bilhões - serão investidos em ações ou em criptomoedas, como o bitcoin.

Uma pesquisa feita com 235 pessoas que recebem menos de US$ 150.000 revelou que de 35% a 40% dos entrevistados disseram que investiriam parte dos cheques em ações e criptomoedas.

E 61% dos investidores pretendem comprar bitcoins, disse Dan Dolev, um dos líderes do estudo da Mizuho.

"Nós ficamos muito surpresos" de que o bitcoin "seja um veículo de investimento maior do que as ações", declarou à CNBC.

A criptomoeda alcançou a maior valorização de todos os tempos no sábado, a US$ 60.000.

Outra consulta, realizada com 430 pessoas pelo Deutsche Bank revelou que "os entrevistados na pesquisa planejam aplicar um grande pedaço (37%) de qualquer estímulo vindouro diretamente em ações", o que denomina de "um afluxo considerável" no mercado acionário.

Em duas rodadas anteriores de cheques de estímulo, pagas em 2020, enquanto a pandemia do coronavírus provocava uma freada brusca na economia, apenas 8% dos fundos foram parar na bolsa, informou o banco.

A consulta mostrou que os jovens com idades entre 25 e 34 anos respondem pela maior proporção de pessoas que planejam levar o dinheiro obtido com o plano de estímulo para o mercado de ações, seguidos por aqueles com idades entre 35 e 44 anos.

O Goldman Sachs avalia que com o plano Biden, "as famílias vão representar a maior fonte de demanda para as bolsas americanas em 2021".

O economista David Kostin, do Goldman Sachs, disse que o banco estima que a demanda das famílias por ações saltará de US$ 100 bilhões para US$ 350 bilhões este ano, "o que reflete um crescimento econômico mais rápido e taxas de juros mais elevadas do que tínhamos presumido anteriormente, pagamentos de estímulos adicionais a indivíduos e uma atividade varejista aumentada no começo de 2021".

vmt/hs/to/mvv