Mercado fechado
  • BOVESPA

    106.296,18
    -1.438,82 (-1,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.889,66
    -130,44 (-0,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    84,13
    +0,37 (+0,44%)
     
  • OURO

    1.795,00
    -1,30 (-0,07%)
     
  • BTC-USD

    61.161,97
    -88,65 (-0,14%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.453,34
    -49,70 (-3,31%)
     
  • S&P500

    4.544,90
    -4,88 (-0,11%)
     
  • DOW JONES

    35.677,02
    +73,92 (+0,21%)
     
  • FTSE

    7.204,55
    +14,25 (+0,20%)
     
  • HANG SENG

    26.126,93
    +109,43 (+0,42%)
     
  • NIKKEI

    28.528,34
    -276,51 (-0,96%)
     
  • NASDAQ

    15.314,50
    -26,50 (-0,17%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5775
    -0,0033 (-0,05%)
     

Cheguei querendo fazer o bem, o que dá pra fazer é evitar o mal, diz Campos Neto citando o avô

·1 minuto de leitura
Presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, dá entrevista coletiva em Brasília

BRASÍLIA (Reuters) - O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, afirmou nesta quarta-feira que a frase do seu avô sobre ter chegado ao Congresso querendo fazer o bem, mas ter chegado à conclusão que o que era possível era evitar o mal, também se aplica à experiência que tem tido no governo.

Roberto Campos foi ministro do Planejamento no governo do presidente Castelo Branco (1964-67) e também assumiu mandatos como deputado federal e senador.

"Vou terminar com uma frase que, para mim, tem retratado muito da minha experiência também no governo. Ele dizia: quando cheguei ao Congresso queria fazer o bem. Hoje acho que o que dá pra fazer é evitar o mal", afirmou Campos Neto, ao participar do lançamento virtual do livro "Constituinte Profeta: Homenagem ao Roberto Campos”.

O presidente do BC também lembrou que o seu avô era um entusiasta da tecnologia, e pontuou que, pessoalmente, considera a tecnologia o instrumento mais democratizante no mundo.

Campos Neto também defendeu que a autonomia formal do Banco Central que foi recém conquistada é "inferior" à defendida por Roberto Campos no passado, já que o status que havia sido assegurado na lei de criação do BC e que perdurou de 1964 até o início de 1967 concedia independência administrativa, operacional e financeira para a autarquia.

"Hoje nós tratamos basicamente da autonomia operacional e um pouco da financeira. Então não temos nenhuma autonomia administrativa no processo que está vigente atualmente", afirmou.

(Por Marcela Ayres)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos