Mercado abrirá em 1 h 31 min
  • BOVESPA

    108.232,74
    +1.308,56 (+1,22%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.563,98
    +984,08 (+1,98%)
     
  • PETROLEO CRU

    115,04
    +0,84 (+0,74%)
     
  • OURO

    1.826,10
    +12,10 (+0,67%)
     
  • BTC-USD

    30.436,72
    +392,62 (+1,31%)
     
  • CMC Crypto 200

    683,88
    +441,20 (+181,81%)
     
  • S&P500

    4.008,01
    -15,88 (-0,39%)
     
  • DOW JONES

    32.223,42
    +26,76 (+0,08%)
     
  • FTSE

    7.526,93
    +62,13 (+0,83%)
     
  • HANG SENG

    20.602,52
    +652,31 (+3,27%)
     
  • NIKKEI

    26.659,75
    +112,70 (+0,42%)
     
  • NASDAQ

    12.490,50
    +245,75 (+2,01%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,3126
    +0,0321 (+0,61%)
     

Chefes temem que funcionários remotos fiquem em desvantagem

·3 min de leitura

(Bloomberg) -- Entre as maiores preocupações que os executivos têm com o trabalho remoto, há um fenômeno conhecido como “viés de proximidade”, o que significa que as pessoas que optam por retornar aos escritórios podem ter vantagens, enquanto as que ficarem em casa podem ficar para trás.

Apesar desse receio legítimo, principalmente em relação aos trabalhadores sub-representados, a maioria dos chefes ainda prefere trabalhar em escritórios e quer que seus subordinados façam o mesmo, segundo uma pesquisa divulgada nesta terça-feira.

Mais de quatro em cada 10 executivos classificaram as potenciais desigualdades entre funcionários remotos e internos como sua principal preocupação, de acordo com uma pesquisa do Future Forum com mais de 10.000 trabalhadores - cerca de 2-3% dos entrevistados são executivos. A pesquisa trimestral descobriu que os chefes têm duas vezes mais probabilidade de preferir trabalhar no escritório pelo menos três dias por semana em comparação com funcionários comuns. Mulheres e trabalhadores de minorias são mais propensos do que outros grupos a querer ficar em casa, aumentando os temores de que o retorno ao escritório possa exacerbar ainda mais as desigualdades no local de trabalho.

“As empresas precisam entender que seus esforços de diversidade e seus planos de trabalho futuros estarão interligados”, disse Brian Elliott, executivo da Slack Technologies que supervisiona o Future Forum, um consórcio de pesquisa criado pela fabricante de software. O Slack, que fabrica software de colaboração virtual, se beneficia de uma força de trabalho remota.

A pesquisa destaca um dos tópicos mais controversos enfrentados pelos gerentes enquanto tentam criar horários de trabalho híbridos que mantenham os funcionários engajados e produtivos em meio a taxas recordes de pedidos de demissão: o tempo de contato presencial. Apenas ser visto no escritório pode afetar as avaliações de desempenho, promoções e segurança no emprego, segundo pesquisa de professores da Universidade da Califórnia, Davis e da Universidade da Carolina do Norte. Jack Welch, ex-CEO da General Electric, cuja abordagem de gestão foi amplamente copiada, uma vez disse em uma coluna de conselhos da Bloomberg Businessweek que “o caminho para o topo é pavimentado pela presença”.

Os trabalhadores estão mais uma vez sendo convocados de volta aos arranha-céus do centro, agora que as infecções por Covid-19 da variante ômicron atingiram o pico ou devem atingir nas próximas semanas. O Credit Suisse pediu aos funcionários dos EUA que voltassem ao escritório em 1º de fevereiro, enquanto os funcionários do Citigroup em Nova York, Nova Jersey e Connecticut estão se preparando para voltar em 7 de fevereiro. Empresas no Reino Unido também estão dizendo a seus funcionários em Londres para retornarem às suas mesas nas próximas semanas depois que o governo disse que as pessoas não precisavam mais trabalhar em casa.

Mais da metade dos entrevistados pelo Future Forum estão trabalhando de forma híbrida, e muitos dizem que esse é seu ambiente preferido.

As empresas que fazem malabarismos para a combinação de funcionários remotos e em escritórios podem tentar manter condições equivalentes, insistindo que, se um funcionário precisa se conectar a uma reunião, todos o fazem, disse Elliott. Ainda assim, quanto mais tempo os executivos passam no escritório, mais pressão os trabalhadores podem sentir para estar lá também.

“Esta é uma oportunidade para as organizações reavaliarem, atualizarem ou talvez até recomeçarem alguns de seus processos de gerenciamento”, disse Ella Washington, professora de administração da McDonough School of Business da Universidade de Georgetown. “Ninguém quer ouvir isso, mas não é eficaz para nós mudar modelos antigos para essa nova maneira de trabalhar.”

More stories like this are available on bloomberg.com

©2022 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos