Mercado fechará em 2 mins
  • BOVESPA

    100.936,06
    +396,23 (+0,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.758,08
    +556,27 (+1,46%)
     
  • PETROLEO CRU

    40,08
    -1,62 (-3,88%)
     
  • OURO

    1.927,70
    +12,30 (+0,64%)
     
  • BTC-USD

    12.764,63
    +1.707,62 (+15,44%)
     
  • CMC Crypto 200

    255,91
    +11,02 (+4,50%)
     
  • S&P500

    3.457,66
    +14,54 (+0,42%)
     
  • DOW JONES

    28.359,42
    +50,63 (+0,18%)
     
  • FTSE

    5.776,50
    -112,72 (-1,91%)
     
  • HANG SENG

    24.754,42
    +184,88 (+0,75%)
     
  • NIKKEI

    23.639,46
    +72,42 (+0,31%)
     
  • NASDAQ

    11.735,00
    +74,25 (+0,64%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6533
    +0,0269 (+0,41%)
     

Chefe de gabinete de Fernández reitera que Argentina não desvalorizará peso

Valor, Com El Cronista*
·2 minutos de leitura

Santiago Cafiero garantiu que as medidas adotadas para combater a escassez de dólares terão efeito no médio prazo O chefe de gabinete da presidência da Argentina, Santiago Cafiero, reiterou nesta sexta-feira que o governo do país não pretende desvalorizar o peso e garantiu que as recentes medidas adotadas para combater a escassez de dólares terão efeito no médio prazo. Cafiero é mais um representante da Casa Rosada a assegurar nesta semana que a Argentina não adotará políticas para a desvalorização do peso. Na última terça-feira, a garantia já havia sido dada por seu chefe, o presidente Alberto Fernández. Fernández e sua equipe tem reiterado que não há intenção do governo em desvalorizar o peso Casa Rosada “Não vamos desvalorizar. Isso já foi dito pelo presidente, pelo ministro da Economia, pelo presidente do Banco Central”, afirmou Cafiero durante o lançamento de uma plataforma de comércio eletrônico dos Correios da Argentina. Com relação às medidas adotadas até agora, Cafiero afirmou que elas terão efeitos no médio prazo e que o governo estuda como reorientar a política cambial para garantir que os dólares sejam investidos na produção e na geração de empregos. Antes das declarações do chefe de gabinete de Fernández, o ministro da Economia, Martín Guzmán, anunciou que o país diminuiria as restrições sobre as operações com o dólar “contado com liquidação” (CCL), uma medida que, segundo ele, visa reduzir o spread entre a cotação da moeda americana no mercado oficial e no paralelo. Mesmo com as garantias dadas por diferentes representantes do governo, as cotações do chamado “dólar blue” vêm quebrando recordes nos últimos dias. Hoje, a divisa americana chegou a ser cotada a 178 pesos no mercado paralelo, valor muito superior aos 82,50 pesos do câmbio oficial. *El Economista faz parte da Red Iberoamericana de Periodismo Económico (RIPE).