Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.801,21
    -1.775,35 (-1,44%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.195,43
    -438,48 (-0,85%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,06
    -0,09 (-0,13%)
     
  • OURO

    1.814,70
    +0,20 (+0,01%)
     
  • BTC-USD

    39.755,46
    +1.269,31 (+3,30%)
     
  • CMC Crypto 200

    977,06
    +50,30 (+5,43%)
     
  • S&P500

    4.402,66
    -20,49 (-0,46%)
     
  • DOW JONES

    34.792,67
    -323,73 (-0,92%)
     
  • FTSE

    7.123,86
    +18,14 (+0,26%)
     
  • HANG SENG

    26.426,55
    +231,73 (+0,88%)
     
  • NIKKEI

    27.584,08
    -57,75 (-0,21%)
     
  • NASDAQ

    15.082,50
    +9,00 (+0,06%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1183
    -0,0472 (-0,77%)
     

Chefe do FMI vê risco de aumento sustentado da inflação nos EUA

·1 minuto de leitura

Por Andrea Shalal

WASHINGTON (Reuters) - O Fundo Monetário Internacional (FMI) disse nesta quarta-feira que mais apoio fiscal nos Estados Unidos poderá alimentar pressões inflacionárias e alertou que o risco de um aumento sustentado nos preços poderá exigir um aumento dos juros mais cedo do que o esperado.

As taxas de juros mais altas nos EUA, por sua vez, podem levar a um forte aperto das condições financeiras mundiais e saídas significativas de capital de economias emergentes e em desenvolvimento, disse a diretora-gerente do FMI, Kristalina Georgieva, em um blog publicado nesta quarta-feira com a nota de supervisão do FMI para os países do G20.

A avaliação do FMI sobre os riscos de inflação nos EUA vem em meio a fortes críticas dos parlamentares republicanos aos planos de trilhões de dólares do presidente Joe Biden para aumentar os investimentos em infraestrutura, creches, mensalidades em faculdades comunitárias e cobertura ampliada de assistência domiciliar para idosos e deficientes.

Georgieva disse que uma recuperação acelerada da pandemia de Covid-19 nos Estados Unidos, onde o crescimento deve chegar a 7% em 2021, beneficiará muitos países por meio do aumento do comércio, mas o aumento da inflação poderá ser mais sustentado do que o esperado. O FMI prevê um crescimento global de 6%.

Outros países enfrentam o aumento dos preços das commodities e dos alimentos, que agora estão em seu patamar mais alto desde 2014, colocando milhões de pessoas em risco de insegurança alimentar, acrescentou o FMI em relatório.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos