Mercado fechará em 5 h 35 min
  • BOVESPA

    123.095,70
    +1.294,49 (+1,06%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.194,64
    -0,79 (-0,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,74
    +0,59 (+0,87%)
     
  • OURO

    1.807,80
    -6,70 (-0,37%)
     
  • BTC-USD

    38.359,71
    -710,27 (-1,82%)
     
  • CMC Crypto 200

    965,13
    -10,77 (-1,10%)
     
  • S&P500

    4.416,44
    +13,78 (+0,31%)
     
  • DOW JONES

    34.955,54
    +162,87 (+0,47%)
     
  • FTSE

    7.108,66
    -15,20 (-0,21%)
     
  • HANG SENG

    26.204,69
    -221,86 (-0,84%)
     
  • NIKKEI

    27.728,12
    +144,04 (+0,52%)
     
  • NASDAQ

    15.128,25
    +54,75 (+0,36%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0637
    -0,0546 (-0,89%)
     

Chefe do FMI pede ao G20 ação contra 'duplo choque devastador' nos países pobres

·2 minuto de leitura
A diretora-gerente do FMI, Kristalina Georgieva, em foto de 18 de maio de 2021 em Paris

A diretora-gerente do FMI, Kristalina Georgieva, pediu aos países mais ricos do mundo, nesta quarta-feira (7), que ajam mais rapidamente em favor dos mais pobres, que enfrentam um "duplo choque devastador" causado pela pandemia do coronavírus.

"Os países mais pobres enfrentam um duplo choque devastador: correm o risco de perder a corrida contra o vírus; e podem perder a oportunidade de se juntar a uma transformação histórica em direção a uma nova economia com bases verdes e digitais", acrescentou.

"É um momento crítico que exige uma ação urgente por parte do G20 e de atores políticos em todo mundo", insistiu.

Em uma publicação às vésperas da reunião das Finanças do G20 - de 8 a 10 de julho em Veneza -, Georgieva alertou sobre as "crescentes desigualdades" entre ricos e pobres. Ela ressalta que aumentar a velocidade de ação é necessária para ajudar o mundo em desenvolvimento com vacinas e, posteriormente, com suas reformas econômicas.

Enquanto os Estados Unidos estão no caminho de seu maior crescimento desde 1984, e a China e a zona do euro retomam o ritmo, os países em desenvolvimento estão ficando para trás, devido a uma pandemia que segue fazendo profundos estragos, com vacinas insuficientes e a incapacidade de implementar políticas de ajuda à população.

"O G20 pode fazer a diferença", ressaltou a chefe do FMI, apontando para a necessidade de uma abordagem multilateral para compartilhar as vacinas, financiá-las e investir na aceleração de sua produção.

Em conjunto com a Organização Mundial da Saúde (OMS), o Banco Mundial e a Organização Mundial do Comércio (OMC), o Fundo propôs um plano para expandir o acesso às vacinas.

Seria um "ponto de inflexão global" que salvaria centenas de milhares de vidas e aceleraria a recuperação, disse Georgieva.

A instituição, com sede em Washington, estima que os países de baixa renda devem gastar US$ 200 bilhões em cinco anos apenas para combater a pandemia, e outros US$ 250 bilhões para reformas econômicas que lhes permitam acompanhar o ritmo de recuperação das nações mais ricas.

Georgieva ressaltou, porém, que essas nações não podem fazer isso sozinhas e que os países ricos devem "redobrar seus esforços".

A suspensão dos pagamentos da dívida externa aos países do G20 "foi uma trégua orçamentária", reconheceu o FMI.

"Mas, dada a necessidade de acordar um alívio permanente da dívida, devemos tornar o novo quadro comum totalmente operacional", recomendou Georgieva.

Em novembro de 2020, os países do G20 adotaram uma "estrutura comum" para lidar com as eventuais reestruturações de dívidas de 73 dos países mais pobres do planeta.

Dt/dax/rsr/mas/mr/tt

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos