Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.035,17
    -2.221,19 (-1,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.592,91
    +282,64 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,66
    -1,87 (-2,94%)
     
  • OURO

    1.733,00
    -42,40 (-2,39%)
     
  • BTC-USD

    47.444,65
    +834,20 (+1,79%)
     
  • CMC Crypto 200

    912,88
    -20,25 (-2,17%)
     
  • S&P500

    3.811,15
    -18,19 (-0,48%)
     
  • DOW JONES

    30.932,37
    -469,64 (-1,50%)
     
  • FTSE

    6.483,43
    -168,53 (-2,53%)
     
  • HANG SENG

    28.980,21
    -1.093,96 (-3,64%)
     
  • NIKKEI

    28.966,01
    -1.202,26 (-3,99%)
     
  • NASDAQ

    12.905,75
    +74,00 (+0,58%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7577
    +0,0188 (+0,28%)
     

Chefe do FMI apoia plano de estímulo de Biden para a economia dos EUA

·1 minuto de leitura
A diretora do FMI, Kristalina Georgieva, expressou apoio ao ambicioso pacote de ajuda do governo Biden para contar os efeitos da pandemia nos Estados Unidos

A diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Kristalina Georgieva, afirmou nesta sexta-feira (5) que apoia o substancial plano de estímulo de 1,9 trilhão de dólares promovido pelo presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, para aliviar a crise causada pela pandemia em seu país.

"Os Estados Unidos têm espaço fiscal para tomar medidas adicionais de alívio e apoio", disse ela a repórteres, indicando que considera "apropriado" usar esta ferramenta "dado o grau excepcional de incerteza e o fato de que ainda há muito sofrimento para as famílias e as empresas".

Georgieva expressou apoio aos principais elementos que compõem o plano, incluindo um fundo para vacinas, testes diagnósticos, bem como assistência alimentar e créditos de imposto de renda para trabalhadores de baixa renda.

“O FMI tem apoiado muito o uso de mais créditos de imposto de renda registrados e créditos reembolsáveis para creches”, afirmou a diretora da entidade em um evento virtual com jornalistas.

Biden prometeu nesta sexta-feira que "agirá rapidamente" para que o Congresso aprove um plano de estímulo com ajuda aos governos estaduais e locais, que tem apoio popular, mas enfrenta oposição dos congressistas republicanos.

"É evidente que há necessidade de apoiar governos e estados locais", disse Georgieva, que argumentou que uma recuperação nos Estados Unidos beneficiaria a economia global e que os gastos de Washington em áreas como educação servem como um "sinal" para o resto do mundo.

Georgieva concordou que é preciso estar atento a riscos como o aumento da dívida pública, mas elogiou a secretária do Tesouro, Janet Yellen, como garantia nesse sentido.

“Temos a melhor secretária do Tesouro possível para monitorar os riscos potenciais à estabilidade financeira”, afirmou.

Dt/lo/hs/cs/an/mls/ic/am