Mercado abrirá em 8 h 29 min
  • BOVESPA

    113.812,87
    +105,11 (+0,09%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.729,80
    -4,24 (-0,01%)
     
  • PETROLEO CRU

    90,17
    -0,33 (-0,36%)
     
  • OURO

    1.765,90
    -5,30 (-0,30%)
     
  • BTC-USD

    22.815,67
    -591,45 (-2,53%)
     
  • CMC Crypto 200

    542,55
    -15,18 (-2,72%)
     
  • S&P500

    4.283,74
    +9,70 (+0,23%)
     
  • DOW JONES

    33.999,04
    +18,72 (+0,06%)
     
  • FTSE

    7.541,85
    +26,10 (+0,35%)
     
  • HANG SENG

    19.852,92
    +89,01 (+0,45%)
     
  • NIKKEI

    28.924,74
    -17,40 (-0,06%)
     
  • NASDAQ

    13.503,25
    -20,00 (-0,15%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2115
    -0,0023 (-0,04%)
     

Chefe do FMI alerta contra "complacência" em relação a problemas de dívida globais

Kristalina Georgieva, diretora-gerente do FMI

Por Andrea Shalal

(Reuters) - A diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Kristalina Georgieva, está pressionando a China e outras economias do Grupo dos 20 a acelerar o alívio da dívida para um número crescente de países altamente endividados, alertando que o fracasso em fazê-lo pode desencadear uma "espiral descendente" prejudicial.

Georgieva disse à Reuters que é crucial impulsionar o Marco Comum para negociação de dívidas, programa amplamente paralisado que foi adotado pelo G20 e pelo Clube de Paris de credores oficiais em outubro de 2020, mas não conseguiu entregar um único resultado até agora.

"Este é um tópico sobre o qual não podemos ter complacência", disse ela. "Se a confiança for corroída a ponto de haver uma espiral descendente, não se sabe onde isso terminará", disse a chefe do FMI em entrevista no final da semana passada, antes de reunião desta semana de autoridades financeiras na Indonésia.

Georgieva disse que quase um terço dos países de mercados emergentes e duas vezes essa proporção de países de baixa renda estão com dificuldades envolvendo a dívida, com a situação piorando à medida que as economias avançadas aumentaram suas taxas de juros.

Ela fez um apelo à China para que coordene melhor seus múltiplos credores, alertando que o país seria o "primeiro a perder dramaticamente" se os atuais problemas de dívida se transformarem numa crise total.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos