Mercado fechará em 2 h 34 min
  • BOVESPA

    104.206,21
    -3.528,80 (-3,28%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.901,52
    -118,53 (-0,23%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,25
    +0,75 (+0,91%)
     
  • OURO

    1.789,70
    +7,80 (+0,44%)
     
  • BTC-USD

    61.118,84
    -2.231,72 (-3,52%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.448,76
    -54,28 (-3,61%)
     
  • S&P500

    4.533,11
    -16,67 (-0,37%)
     
  • DOW JONES

    35.600,09
    -2,99 (-0,01%)
     
  • FTSE

    7.204,55
    +14,25 (+0,20%)
     
  • HANG SENG

    26.126,93
    +109,40 (+0,42%)
     
  • NIKKEI

    28.804,85
    +96,27 (+0,34%)
     
  • NASDAQ

    15.322,00
    -156,75 (-1,01%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6511
    +0,0701 (+1,07%)
     

Chefe da Samsung é julgado por consumo ilegal de propofol

·2 minuto de leitura
O dirigente da Samsung Electronics, Lee Jae-yong, ingressa em 12 de outubro em Seul (AFP/Jung Yeon-je)

O herdeiro e dirigente de fato do grupo Samsung, Lee Jae-yong, compareceu nesta terça-feira (12) no tribunal acusado de uso ilegal do anestésico propofol, um delito pelo qual o promotor pediu condenação a uma multa de 70 milhões de won (cerca de 57 mil dólares).

Lee, o vice-presidente da maior fabricante mundial de smartphones Samsung Electronics e, de acordo com a Forbes, 297 fortuna global, é acusado de receber injeções de propofol em uma clínica de cirurgia plástica em Seul em 2017 e 2018.

O propofol é um anestésico médico, usado principalmente em serviços de reanimação, mas também é utilizado como droga.

Uma overdose de propofol foi a causa da morte do cantor americano Michael Jackson em 2009.

O uso de propofol é normalmente considerado um delito de menor gravidade na Coreia do Sul e, em junho, a Promotoria propôs punir Lee com uma multa de 50 milhões de won (cerca de US $ 42 mil) sem julgamento.

Mas o tribunal não aceitou a proposta e decidiu que Lee deveria ser julgado.

Nesta terça-feira, Lee entrou no tribunal vestido com um terno escuro e usando máscara, sem fazer declarações à imprensa.

A Promotoria pediu que ele fosse condenado a uma multa de 70 milhões de won, enquanto os advogados de Lee argumentaram que as injeções de propofol foram feitas por motivos de saúde.

O tratamento "foi prescrito de acordo com as normas sanitárias por um médico durante o tratamento de Lee", disseram em um comunicado.

A Samsung Electronics, principal subsidiária do conglomerado Samsung, não quis comentar.

Lee se tornou o líder de fato do conglomerado após a morte de seu pai no ano passado.

Dois meses atrás, ele foi libertado sob fiança após ser condenado a dois anos e meio de prisão por suborno, peculato e outros crimes relacionados ao escândalo de corrupção que levou à renúncia da então presidente sul-coreana Park Geun-hye.

kjk/slb/ssy/zm/mar/mr

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos