Mercado abrirá em 8 hs
  • BOVESPA

    110.611,58
    -4.590,65 (-3,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.075,41
    +732,87 (+1,58%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,48
    +0,43 (+0,66%)
     
  • OURO

    1.685,60
    +7,60 (+0,45%)
     
  • BTC-USD

    53.786,25
    +3.242,65 (+6,42%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.085,76
    +61,55 (+6,01%)
     
  • S&P500

    3.821,35
    -20,59 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    31.802,44
    +306,14 (+0,97%)
     
  • FTSE

    6.719,13
    +88,61 (+1,34%)
     
  • HANG SENG

    28.924,92
    +384,09 (+1,35%)
     
  • NIKKEI

    28.927,02
    +183,77 (+0,64%)
     
  • NASDAQ

    12.449,00
    +151,75 (+1,23%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,9718
    +0,0120 (+0,17%)
     

Chefe da ONU pede a Israel que desista de novos assentamentos na Cisjordânia

·1 minuto de leitura
O secretário-general da ONU, Antonio Guterres, em 4 de fevereiro de 2020 na sede da entidade em Nova York

O secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, pediu nesta segunda-feira (18) que Israel "pare e reverta" sua recente decisão de construir cerca de 800 casas na Cisjordânia ocupada.

A decisão é "um grande obstáculo para alcançar uma solução de dois Estados e uma paz justa, permanente e completa" no Oriente Médio, disse Guterres em um comunicado.

“O estabelecimento de colônias israelenses nos territórios ocupados desde 1967, incluindo Jerusalém Oriental, não tem validade legal e constitui uma violação flagrante do direito internacional”, enfatizou.

O aumento de colônias "aumenta o risco de confronto, mina ainda mais o direito do povo palestino e a possibilidade de acabar com a ocupação e o estabelecimento de um Estado palestino soberano contíguo e viável, baseado nos limites pré-1967", concluiu Guterres.

Israel aprovou no domingo a construção de 780 casas na Cisjordânia, uma medida ordenada na semana anterior pelo primeiro-ministro Benjamin Nethanyahu.

Mais de 450.000 israelenses residem nas colônias na Cisjordânia, onde vivem 2,8 milhões de palestinos.

prh/lbx/gm/am