Mercado fechará em 4 h 58 min
  • BOVESPA

    120.295,17
    +998,04 (+0,84%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.075,51
    +571,80 (+1,20%)
     
  • PETROLEO CRU

    62,81
    +2,63 (+4,37%)
     
  • OURO

    1.739,40
    -8,20 (-0,47%)
     
  • BTC-USD

    63.143,22
    +303,79 (+0,48%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.353,97
    -21,80 (-1,58%)
     
  • S&P500

    4.146,03
    +4,44 (+0,11%)
     
  • DOW JONES

    33.873,64
    +196,37 (+0,58%)
     
  • FTSE

    6.934,97
    +44,48 (+0,65%)
     
  • HANG SENG

    28.900,83
    +403,58 (+1,42%)
     
  • NIKKEI

    29.620,99
    +82,29 (+0,28%)
     
  • NASDAQ

    13.941,50
    -34,25 (-0,25%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7974
    -0,0338 (-0,49%)
     

Chefe da OMS pede investigação mais profunda sobre hipótese de fuga do vírus de laboratório chinês

·1 minuto de leitura
O diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus

O diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, pediu nesta terça-feira (30) uma nova investigação sobre a hipótese de uma fuga do vírus da covid-19 de um laboratório na China e criticou a falta de acesso dos especialistas aos dados.

Embora os cientistas, que investigaram a origem do vírus na China em janeiro e fevereiro, estimem que essa possibilidade seja a menos provável, "isso requer mais investigações, provavelmente com novas missões com especialistas, o que estou disposto a implantar", assegurou.

Na apresentação oficial do relatório conjunto dos especialistas da OMS e de cientistas chineses sobre a origem do vírus, o chefe da instituição disse que a investigação permitiu avançar no conhecimento "de forma importante", mas que gerou "outras questões que precisam de outros estudos".

O informe, ao qual a AFP teve acesso na segunda-feira (29), considerava que era "extremamente improvável" que o coronavírus se deva a um acidente, ou a um vazamento de patógenos de um laboratório.

Nesta terça, porém, o doutor Tedros pediu una investigação mais profunda desta hipótese com "especialistas".

O chefe da OMS disse ainda que a equipe internacional de especialistas sinalizou ter tido "dificuldades" para "ter acesso aos dados originais", durante a estada na China.

"Espero que novos estudos colaborativos estejam baseados em compartilhar os dados de uma forma mais ampla e rápida", acrescentou.

vog/apo/sg/es/mb/mr/tt