Mercado fechado
  • BOVESPA

    93.952,40
    -2.629,76 (-2,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    36.987,86
    +186,49 (+0,51%)
     
  • PETROLEO CRU

    35,72
    -0,45 (-1,24%)
     
  • OURO

    1.878,80
    +10,80 (+0,58%)
     
  • BTC-USD

    13.696,47
    +149,48 (+1,10%)
     
  • CMC Crypto 200

    265,42
    +1,78 (+0,68%)
     
  • S&P500

    3.269,96
    -40,15 (-1,21%)
     
  • DOW JONES

    26.501,60
    -157,51 (-0,59%)
     
  • FTSE

    5.577,27
    -4,48 (-0,08%)
     
  • HANG SENG

    24.107,42
    -479,18 (-1,95%)
     
  • NIKKEI

    22.977,13
    -354,81 (-1,52%)
     
  • NASDAQ

    11.089,00
    -253,75 (-2,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6872
    -0,0584 (-0,87%)
     

Chefe da diplomacia europeia vai à Líbia promover esforços de paz

-
·2 minutos de leitura
Chefe da diplomacia europeia, Josep Borrell, com chefe de Governo de União Nacional com sede em Trípoli, Fayez al-Sarraj, em 1 de setembro
Chefe da diplomacia europeia, Josep Borrell, com chefe de Governo de União Nacional com sede em Trípoli, Fayez al-Sarraj, em 1 de setembro

O chefe da diplomacia europeia, Josep Borrell, se reuniu nesta terça-feira com o governo líbio reconhecido pela ONU, com o objetivo de promover novos esforços para resolver o conflito no país. 

Borrell se encontrou com o chefe do Governo da União Nacional (GNA, com sede em Trípoli), Fayez al-Sarraj, cujo governo anunciou recentemente um acordo, após meses de hostilidades com tropas leais ao homem forte do leste, Khalifa Haftar. 

"A Líbia continua sendo uma prioridade importante para a União Europeia. Saudamos o recente acordo de cessar-fogo e continuamos a apoiar o diálogo político líbio e a solução para o conflito", disse Borrell no Twitter após a entrevista. 

Haftar lançou uma ofensiva para tomar Trípoli em abril de 2019, mas foi repelido este ano por forças pró-GNA apoiadas pela Turquia. 

O GNA e Águila Saleh, a presidente do parlamento baseado no leste que apóia parcialmente o marechal Haftar, anunciaram separadamente no final de agosto que cessarão todas as hostilidades e realizarão eleições nacionais. 

"A UE apoia fortemente o processo de Berlim, os esforços de mediação e as medidas de redução da escalada, que incluem o embargo de armas, um elemento determinante para encerrar o conflito na Líbia", acrescentou Borrell. 

Ele se referiu à reunião de cúpula em janeiro passado na capital alemã, onde os principais países envolvidos no conflito líbio concordaram em respeitar o embargo de armas, bem como em cessar sua intervenção nos assuntos internos da Líbia. 

Borrell disse que também abordou no encontro as formas de "avançar o processo político" e a questão da suspensão do bloqueio aos poços de petróleo imposto desde janeiro por grupos pró-Haftar que exigem uma parte justa dos recursos petrolíferos. 

O ministro das Relações Exteriores da Itália, Luigi Di Maio, que também se encontrou com Sarraj na terça-feira, disse que a Itália apoia o cessar-fogo e disse que a intervenção estrangeira "deve parar". 

Borrell mais tarde entrevistou o diretor da National Petroleum Corporation, Mustafa Sanalla, e disse no Twitter que eles discutiram "a necessidade de garantir a retomada da produção de petróleo para o benefício de todos os líbios e a unidade e prosperidade da Líbia".

rb/par/dwo/lg/par/eg/mis/cc