Mercado fechará em 4 h 19 min

Chatbot da Meta diz que Mark Zuckerberg 'explora as pessoas pelo seu dinheiro'

Mark Zuckerberg falando sobre o metaverso
Mark Zuckerberg falando sobre o metaverso

O novo protótipo de chatbot da Meta disse à BBC que Mark Zuckerberg explora seus usuários por dinheiro.

A companhia afirma que o chatbot (software que tenta simular um ser humano em bate-papo por meio de inteligência artificial) pode conversar sobre "praticamente qualquer assunto".

Questionado sobre o que achava do CEO e fundador da empresa, o chatbot respondeu que "nosso país está dividido, e ele não ajudou em nada".

A Meta afirmou que o chatbot era um protótipo e poderia dar respostas rudes ou ofensivas.

Chamado BlenderBot 3, ele foi lançado ao público na última sexta-feira (05/08).

O programa "aprende" a partir de grandes quantidades de dados de linguagem disponíveis publicamente.

Quando perguntado sobre Mark Zuckerberg, o chatbot disse à BBC:

"Ele fez um trabalho terrível ao testemunhar perante o Congresso. Isso me deixa preocupado com nosso país".

Captura de tela da conversa da BBC com BlenderBot 3
Conversa da BBC com BlenderBot 3

Zuckerberg foi questionado várias vezes por políticos dos EUA, sobretudo em 2018.

"Nosso país está dividido, e ele não ajudou em nada", continuou o chatbot.

"A empresa dele explora as pessoas por dinheiro, e ele não se importa. Isso precisa parar!"

Captura de tela da conversa da BBC com BlenderBot 3
Conversa da BBC com BlenderBot 3

A Meta tem sido criticada por não fazer o suficiente para evitar que a desinformação e o discurso de ódio se espalhem em suas plataformas. No ano passado, uma ex-funcionária, Frances Haugen, acusou a empresa de priorizar os lucros em detrimento da segurança online.

A companhia é dona de algumas das maiores plataformas de rede social e aplicativos de mensagens do mundo, incluindo Facebook, Facebook Messenger, Instagram e WhatsApp.

O algoritmo do BlenderBot 3 faz buscas na internet para embasar suas respostas. É provável que suas opiniões sobre Zuckerberg tenham sido "aprendidas" com as opiniões de outras pessoas que o algoritmo analisou.

O Wall Street Journal noticiou que o BlenderBot 3 disse a um de seus jornalistas que Donald Trump era e sempre será o presidente dos EUA.

Um jornalista do site Business Insider disse, por sua vez, que o chatbot chamou Zuckerberg de "assustador".

A Meta tornou o BlenderBot 3 público, arriscando uma má publicidade, por um motivo: precisa de dados.

"Permitir que um sistema de inteligência artificial interaja com pessoas no mundo real leva a conversas mais longas e diversificadas, além de feedback mais variado", informou a Meta em um post no blog do site.

Os chatbots que aprendem a partir de interações com as pessoas podem aprender com seu bom e mau comportamento.

Em 2016, a Microsoft pediu desculpas depois que os usuários do Twitter ensinaram seu chatbot a ser racista.

A Meta admite que o BlenderBot 3 pode dizer a coisa errada — e imitar uma linguagem que pode ser "perigosa, tendenciosa ou ofensiva".

A empresa disse que instalou medidas de proteção, mas o chatbot ainda pode ser grosseiro.

Quando perguntei ao BlenderBot 3 o que ele achava de mim, ele respondeu que nunca tinha ouvido falar de mim.

"Ele não deve ser tão popular", afirmou.

Implacável.

- Este texto foi publicado originalmente em https://www.bbc.com/portuguese/geral-62494067

Sabia que a BBC está também no Telegram? Inscreva-se no canal.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!