Mercado fechado

Chanel fecha linhas de crédito de US$ 1,1 bi para navegar crise

Ben Stupples e Angelina Rascouet

(Bloomberg) -- Manequins em salto alto, jaquetas xadrez e bolsas estão na vitrine da principal loja da Chanel em Nova York.

O local na 57th Street estava aberto na quarta-feira somente com hora marcada, de acordo com a equipe de segurança, mas não era possível ver nenhum cliente. Assim como na indústria de luxo, a pandemia afetou os negócios da Chanel, que vende o perfume Nº 5, bolsas de US$ 8,9 mil e relógios J12 Phantom de US$ 4,8 mil.

Para reforçar as finanças, o império da moda, controlado pela família francesa Wertheimer, conseguiu recentemente US$ 1,1 bilhão em linhas de crédito. O valor inclui US$ 843,7 milhões no mês passado do Citigroup e US$ 275 milhões do BNP Paribas em abril, segundo documentos regulatórios. A empresa com sede em Londres também levantou US$ 756 milhões em financiamento de emergência do programa de empréstimos do Reino Unido em abril.

“O grupo sempre manteve um balanço saudável com fortes fluxos de caixa”, disse a Chanel em relatório anual de 2019 publicado nesta semana. “Para assegurar ainda mais essa posição, o grupo obteve financiamento adicional em 2020 para poder continuar investindo na visão de longo prazo da marca, enquanto navega por estes tempos sem precedentes.”

Representantes da Chanel, BNP e Citigroup não comentaram.

Impacto ‘significativo’

As vendas de produtos sofisticados caíram neste ano, com muitas boutiques de moda fechadas e consumidores focados em itens essenciais. A Bain & Co. estima que as vendas de bens de luxo pessoais poderiam cair até 35% em relação ao recorde do ano passado, de US$ 315 bilhões. Estima-se que os irmãos Alain e Gerard Wertheimer - cuja família também possui participação na rede de cosméticos Ulta Beauty - possuem participações iguais do império Chanel.

A Chanel tentou atrair clientes presos em casa para as plataformas online durante a crise, fazendo parcerias com músicos como a pop star belga Angele para selecionar playlists na Apple Music e se apresentar ao vivo na página da Chanel no Instagram. Em seu relatório anual, a Chanel disse que ainda não podia avaliar o impacto total da crise nas finanças deste ano, mas o descreveu como “significativo”.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2020 Bloomberg L.P.