Mercado fechará em 6 h 14 min
  • BOVESPA

    120.232,99
    +312,38 (+0,26%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.934,91
    0,00 (0,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,32
    -0,39 (-0,60%)
     
  • OURO

    1.829,50
    +13,80 (+0,76%)
     
  • BTC-USD

    57.321,01
    -92,06 (-0,16%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.490,56
    +54,77 (+3,81%)
     
  • S&P500

    4.219,76
    +18,14 (+0,43%)
     
  • DOW JONES

    34.644,10
    +95,57 (+0,28%)
     
  • FTSE

    7.095,18
    +19,01 (+0,27%)
     
  • HANG SENG

    28.610,65
    -26,81 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    29.357,82
    +26,45 (+0,09%)
     
  • NASDAQ

    13.717,50
    +119,75 (+0,88%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3629
    -0,0037 (-0,06%)
     

Chances de acordo sobre reforma tributária internacional nunca foram tão altas, diz OCDE

·1 minuto de leitura
Sede em OCDE em Paris

PARIS (Reuters) - As chances de um acordo global sobre como as empresas multinacionais são tributadas nunca foram maiores, embora possa levar até outubro para que um pacto seja finalizado, disse o chefe de impostos da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) nesta quarta-feira.

A OCDE coordena negociações entre 140 países há anos e pretende chegar a um consenso até meados de 2021, amparada pelo apoio do novo governo dos Estados Unidos a uma alíquota mínima global de impostos corporativos.

"As chances de sucesso, em minha opinião, nunca foram maiores, porque há um desejo real de todos os lados de encerrar este assunto", disse Pascal Saint-Amans ao comitê de finanças do Senado francês.

Ele acrescentou que não acredita que todas as questões possam ser totalmente resolvidas até julho e que pode levar até outubro para finalizar o acordo.

As negociações visam fazer a maior atualização das regras internacionais de tributação do comércio transfronteiriço em uma geração, para poder levar em conta o surgimento de gigantes da internet como Google e Facebook.

As discussões estão organizadas em torno de duas questões: como tributar as atividades digitais internacionais das multinacionais e uma alíquota mínima global de imposto corporativo.

(Por Leigh Thomas)