Mercado fechará em 2 h 11 min
  • BOVESPA

    122.054,72
    +145,69 (+0,12%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.434,55
    -432,60 (-0,87%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,44
    +0,52 (+0,80%)
     
  • OURO

    1.835,30
    -2,30 (-0,13%)
     
  • BTC-USD

    56.319,60
    -1.170,38 (-2,04%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.504,47
    +1.261,79 (+519,94%)
     
  • S&P500

    4.154,90
    -33,53 (-0,80%)
     
  • DOW JONES

    34.289,02
    -453,80 (-1,31%)
     
  • FTSE

    6.947,99
    -175,69 (-2,47%)
     
  • HANG SENG

    28.013,81
    -581,89 (-2,03%)
     
  • NIKKEI

    28.608,59
    -909,71 (-3,08%)
     
  • NASDAQ

    13.352,50
    -4,25 (-0,03%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3529
    +0,0127 (+0,20%)
     

Chanceleres do G7 se reunirão presencialmente pela primeira vez desde 2019

·1 minuto de leitura
A última reunião de chanceleres das principais potências econômicas mundiais teve lugar no balneário francês de Dinard, na Bretanha, em abril de 2019

O Reino Unido anunciou nesta terça-feira (20) que os ministros das Relações Exteriores do G7 realizarão em maio sua primeira reunião presencial em dois anos, sob presidência britânica.

A última reunião presencial dos chanceleres das principais potências econômicas aconteceu em Dinard, no noroeste da França, em abril de 2019.

Desde então, os contatos foram feitos à distância devido à pandemia de coronavírus.

Na reunião, que acontecerá em Londres de 3 a 5 de maio, serão aplicadas medidas rígidas de segurança contra a covid que incluirão testes diários, explicou o ministro das Relações Exteriores britânico, Dominic Raab.

Esta é uma "oportunidade crucial para revitalizar a diplomacia pessoalmente", afirmou seu ministério em um comunicado.

O encontro vai focar na resposta global à pandemia, especialmente nas vacinas, e deve permitir "mostrar como as maiores democracias do mundo trabalham juntas" em uma série de questões urgentes, destacou.

Entre os assuntos que serão debatidos estão o acesso das meninas à educação, o financiamento de projetos climáticos e as formas de abordar a fome e a insegurança alimentar.

Já os chefes de Estado e de Governo do G7 devem se reunir em uma cúpula anual em junho na Cornualha, no sudoeste da Inglaterra. A do ano passado, nos Estados Unidos, foi cancelada.

Em Londres, representantes da União Europeia se juntarão aos chanceleres do Reino Unido, Canadá, França, Alemanha, Itália, Japão e Estados Unidos. Também foram convidados Índia, Austrália, Coreia do Sul, África do Sul e a Associação das Nações do Sudeste Asiático (ASEAN).

phz-acc/mb/aa