Mercado fechado
  • BOVESPA

    96.582,16
    +1.213,40 (+1,27%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    36.801,37
    -592,34 (-1,58%)
     
  • PETROLEO CRU

    36,13
    -0,04 (-0,11%)
     
  • OURO

    1.866,90
    -1,10 (-0,06%)
     
  • BTC-USD

    13.398,12
    -144,80 (-1,07%)
     
  • CMC Crypto 200

    264,05
    +21,37 (+8,80%)
     
  • S&P500

    3.310,11
    +39,08 (+1,19%)
     
  • DOW JONES

    26.659,11
    +139,16 (+0,52%)
     
  • FTSE

    5.581,75
    -1,05 (-0,02%)
     
  • HANG SENG

    24.586,60
    -122,20 (-0,49%)
     
  • NIKKEI

    23.331,94
    -86,57 (-0,37%)
     
  • NASDAQ

    11.195,50
    -147,25 (-1,30%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7438
    +0,0094 (+0,14%)
     

CGN Brasil vai investir R$ 444 milhões em complexo eólico no Piauí

Letícia Fucuchima
·1 minuto de leitura

Montante será usado na expansão do complexo eólico Lagoa do Barro, localizado no Estado A CGN Brasil Energia e Participações, braço da China General Nuclear Power Group (CGN) no país, anunciou investimentos de R$ 444 milhões na expansão do complexo eólico Lagoa do Barro, localizado no Piauí. Em operação desde 2018, o complexo piauiense envolve oito parques eólicos, que somam 195 megawatts (MW) de potência instalada. A ampliação, fruto da vitória da CGN Brasil no leilão de energia A-6/2019, agregará mais 82,8 MW ao empreendimento. Com isso, a capacidade de geração do complexo deverá atingir 366.000 megawatts-hora (MWh) por ano. Segundo comunicado da companhia, as obras se iniciarão em dezembro deste ano. A operação comercial está prevista para dezembro de 2021. Os contratos para expansão do empreendimento foram assinados na semana passada, em cerimônia virtual com representantes da CGN Brasil, de sua controladora chinesa, e de cônsules da China no Brasil. Com sede em Curitiba (PR), a CGN Brasil é uma subsidiária da CGN Energy International Holding (CGNEI). A companhia chinesa ingressou no mercado brasileiro no ano passado, através das aquisições da Atlantic Energias Renováveis (que pertencia à gestora britânica Actis) e de projetos eólicos e solares da Enel. Atualmente, a CGN Brasil é a quinta maior geradora de energia “limpa” do país.