Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.380,49
    -948,51 (-0,80%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.725,65
    +42,10 (+0,09%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,24
    -0,03 (-0,06%)
     
  • OURO

    1.857,50
    +1,30 (+0,07%)
     
  • BTC-USD

    33.860,30
    +413,06 (+1,23%)
     
  • CMC Crypto 200

    682,31
    +5,41 (+0,80%)
     
  • S&P500

    3.834,33
    -7,14 (-0,19%)
     
  • DOW JONES

    30.850,65
    -146,33 (-0,47%)
     
  • FTSE

    6.638,85
    -56,22 (-0,84%)
     
  • HANG SENG

    30.159,01
    +711,16 (+2,41%)
     
  • NIKKEI

    28.822,29
    +190,84 (+0,67%)
     
  • NASDAQ

    13.336,25
    -25,25 (-0,19%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6370
    -0,0150 (-0,23%)
     

Ceticismo sobre vacinas atinge profissionais de saúde dos EUA

Elise Young
·3 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Na Carolina do Norte e em Ohio, a maioria dos profissionais de casas de repouso se recusa a tomar a vacina contra a Covid-19. Um médico da Flórida e um paramédico de Nova York disseram que não. O governo federal, que deixou os estados encarregados das imunizações, sugere festas com pizza e rifas de prêmios como incentivos para as equipes médicas aceitarem a vacinação.

A relutância em tomar vacinas que poderiam acabar com a pandemia vai muito além de ativistas com teorias não comprovadas nas redes sociais. Enfermeiros e bombeiros estão entre os que questionam sua segurança após a aprovação em tempo recorde.

“Ouvimos: ‘Por que tenho que ser o primeiro da fila a tomar?’ Ouvimos termos como ‘porquinhos-da-índia’”, disse Neil Pruitt Jr., diretor-presidente da PruittHealth, com sede na Geórgia, uma das maiores operadoras de lares de idosos dos EUA. “Você está entre as primeiras pessoas que podem tomar a vacina. Quando tem um presente como esse, tem mais responsabilidade em aceitá-lo.”

Mais de dois terços dos americanos afirmam que pretendem ser vacinados contra o vírus que matou 365 mil no país. Fabricantes como Pfizer, BioNTech e Moderna afirmam que seus produtos são seguros e divulgaram pesquisas, protocolos e planos de produção sem precedentes.

Mas em uma pesquisa da Kaiser Family Foundation, 27% - principalmente republicanos, negros e residentes rurais - dizem que não querem ser vacinados.

Alguns profissionais médicos se opõem à vacina contra a Covid-19 citando efeitos colaterais de curto prazo documentados ou perigos desconhecidos de longo prazo. Outros dizem que correm menos perigo do que os especialistas em doenças infecciosas sugerem, criaram imunidade ou confiam nos tratamentos disponíveis. A desinformação e as suspeitas conspiratórias também encontraram apoio, mesmo entre aqueles que colocam a ciência para funcionar todos os dias.

David W. Moskowitz, de 69 anos, especialista em medicina interna e nefrologia em Leesburg, Flórida, disse que não confia na nova tecnologia de RNA mensageiro para o mercado.

“Acho a vacina extremamente irresponsável do ponto de vista da saúde pública, exceto bastante lucrativa do ponto de vista comercial”, disse Moskowitz em entrevista. “Pode acabar sendo um dos maiores golpes de todos os tempos: bilhões, senão trilhões de dólares mudando de mãos dos contribuintes para algumas empresas.”

Não há nenhum sinal de dano generalizado das vacinas contra a Covid-19. Mais de 43 mil pessoas participaram dos ensaios da Pfizer e 30 mil da Moderna, e a eficácia das fórmulas é de cerca de 95%. Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos estimam a chance de uma reação grave em 0,001%.

O CDC recomendou que os estados incluíssem os 16,8 milhões de profissionais de saúde do país entre os primeiros beneficiários. Até o momento, mais de 8 milhões de doses foram administradas nos EUA a profissionais médicos, residentes de casas de repouso, idosos e outros.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.