Mercado fechará em 1 h 43 min
  • BOVESPA

    109.738,11
    -48,19 (-0,04%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.439,63
    -296,85 (-0,69%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,54
    +0,63 (+1,40%)
     
  • OURO

    1.809,00
    +4,40 (+0,24%)
     
  • BTC-USD

    18.981,30
    -285,35 (-1,48%)
     
  • CMC Crypto 200

    376,69
    +6,17 (+1,67%)
     
  • S&P500

    3.624,97
    -10,44 (-0,29%)
     
  • DOW JONES

    29.852,54
    -193,70 (-0,64%)
     
  • FTSE

    6.391,09
    -41,08 (-0,64%)
     
  • HANG SENG

    26.669,75
    +81,55 (+0,31%)
     
  • NIKKEI

    26.296,86
    +131,27 (+0,50%)
     
  • NASDAQ

    12.104,00
    +28,00 (+0,23%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3394
    -0,0575 (-0,90%)
     

Ceticismo do investidor se mantém mesmo c/ venda de título curto

Davison Santana
·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- A preocupação de que a dívida do Brasil esteja saindo do controle deixa a curva dos swaps mais inclinada, mesmo com o Tesouro inundando o mercado com títulos de curto prazo.

As taxas da ponta longa e da barriga da curva subiram nos últimos dois meses devido ao ceticismo de que o presidente Jair Bolsonaro tenha disposição de controlar os gastos que aumentaram sua popularidade e reacenderam o crescimento. A tendência foi acentuada em setembro, quando governo sinalizou que poderia usar instrumentos fiscais criativos para financiar o programa social desejado por Bolsonaro, o Renda Cidadã.

Embora a decisão do Tesouro de concentrar as vendas da dívida em títulos de curto prazo tenha ajudado a aliviar a pressão sobre a curva, isso não foi capaz de reverter a tendência. Mesmo as repetidas promessas do ministro da Economia, Paulo Guedes, de defender a regra do teto de gastos não conseguiram restaurar a confiança de que o governo controlará o peso da dívida. Investidores têm a preocupação de que, com o número de mortos da Covid-19 aumentando, poderá ser difícil para Bolsonaro resistir à tentação de gastar mais.

A dívida pública do Brasil deve terminar o ano em cerca de 100% do Produto Interno Bruto, ante 76% apenas um ano antes.

O spread entre os rendimentos implícitos de dois e cinco anos nos contratos de NDF em dólar é o mais alto do mundo e continua a aumentar. Também não há trégua imediata à vista, com os legisladores suspendendo o debate sobre as reformas fiscais até depois das eleições municipais de 15 de novembro.

O comunicado dovish do Banco Central nesta semana, que acompanhou sua decisão de manter inalterada a taxa básica de juro, adicionou tensão na curva de swaps. A perspectiva de que o juro permaneça em recorde de baixa por vários meses aumentou a inclinação da curva.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2020 Bloomberg L.P.