Mercado fechará em 4 h 5 min
  • BOVESPA

    111.041,31
    +1.323,38 (+1,21%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.623,36
    +162,81 (+0,34%)
     
  • PETROLEO CRU

    92,54
    -1,80 (-1,91%)
     
  • OURO

    1.812,70
    +5,50 (+0,30%)
     
  • BTC-USD

    23.986,36
    -365,05 (-1,50%)
     
  • CMC Crypto 200

    570,28
    -1,01 (-0,18%)
     
  • S&P500

    4.244,86
    +37,59 (+0,89%)
     
  • DOW JONES

    33.551,60
    +214,93 (+0,64%)
     
  • FTSE

    7.500,89
    +34,98 (+0,47%)
     
  • HANG SENG

    20.175,62
    +93,19 (+0,46%)
     
  • NIKKEI

    28.546,98
    +727,65 (+2,62%)
     
  • NASDAQ

    13.473,00
    +161,75 (+1,22%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2163
    -0,1074 (-2,02%)
     

CES 2020 | Empresa de cannabis leva prêmio na feira mas não pode falar da erva

O primeiro dia da Consumer Electronics Show (CES) 2020 não foi livre de situações estranhamente controversas: a organização da feira – o grupo comercial CTA – concedeu à empresa Keep Labs um prêmio de inovação, uma honraria desejada por diversos expositores do evento. Mas a premiação não veio sem consequência: a Keep Labs estaria proibida de exibir seus produtos ou mencionar uma cerca palavra em seu material de divulgação – a cannabis.

O problema: a Keep Labs é uma empresa ao armazenamento responsável de produtos derivados da maconha, que possui uma indústria regulamentada nacionalmente no Canadá, onde está situada.

Essencialmente, a Keep Labs é a fabricante do “Keep”, uma espécie de caixinha que mais parece um case de fones de ouvido ou um alto-falante menorzinho. Toque em sua trava biométrica, porém, e o topo da caixinha abre, revelando uma série de espaços e entradas desenhados para guardar produtos derivados da cannabis. A ideia é oferecer um dispositivo de armazenamento com selagem hermética, e inclui no pacote um aplicativo de gerenciamento via smartphone e até uma balança digital para peso dos produtos relacionados.

A história da empresa resume-se a, bem, qualquer outra história por aí, só que voltada à maconha: basicamente, duas pessoas precisaram de algo e, vendo que esse “algo” não existia no mercado, decidiram criar o seu próprio produto. O “algo”, no caso, era um contêiner próprio para o armazenamento de produtos derivados da cannabis. Ambos os fundadores da empresa – Ben Gliksman, um advogado do setor de venture capital; e Philip Wilkins, que já havia criado e vendido duas empresas – tinham a vantagem de que o governo do Canadá liberou o consumo da maconha para fins recreativos e medicinais em caráter nacional, ao contrário dos EUA, que fez isso apenas em alguns estados.

A tal caixinha possui destravamento via impressão digital ou reconhecimento facial e, diante de qualquer tentativa indevida de acesso, o dono recebe uma notificação no smartphone. O produto também é desenhado para manter a selagem firme e previne até mesmo odores. A Keep Labs está promovendo a própria campanha de financiamento coletivo para poder produzir o material em massa.

Os fundadores da empresa conversaram com o Techcrunch sobre a proibição imposta pela organização da CES. Segundo eles, a notificação do prêmio de inovação veio em outubro, e em dezembro, chegou a ordem de não veiculação do produto ou da comunicação centrada na cannabis. Wilkins, um dos fundadores, disse ao site que, sem poder mencionar ou falar sobre a erva, eles não estariam fazendo justiça à marca que criaram. A CTA posicionou a Keep Labs em seu site oficial, sob a categoria de “soluções e aplicações de armazenamento para o lar”, algo que não foi bem aceito pela empresa, que não tem atuação voltada para a casa, mas para o consumidor. “Não foi por isso que ganhamos o prêmio”, ele disse.

Essa não é a primeira vez que a Keep Labs teve que superar um obstáculo relacionado ao estigma dos produtos derivados da cannabis. Segundo o site oficial da empresa, nenhuma marca conhecida de financiamento coletivo lhes permitiu a hospedagem de sua campanha, forçando-os a desenvolver sua própria plataforma, que até o momento, conta com 805 apoiadores que adquiriram a pré-venda da caixinha. A campanha atingiu 77% de seu objetivo, dentro do prazo de 1 de março de 2020.

(Imagem: Divulgação/Keep Labs)
(Imagem: Divulgação/Keep Labs)

Em um comunicado, a CTA, organização por trás da CES, disse o seguinte: “Não há produtos voltados à cannabis ou cigarros inteligentes na CES, já que a feira não possui uma categoria apropriada para esse mercado. Dado o fato de que a cannabis não tem uma categoria pertinente na CES, a empresa seria capaz de exibir, sob os termos, o seu produto como um dispositivo de armazenamento”, adicionando o comentário de que a “Keeps Lab (sic) se encaixa na categoria de dispositivos para o lar no que tange ao prêmio de inovação”.

Apesar das regras impostas pela CTA, é importante citar que o estado de Nevada, onde está situada a cidade de Las Vegas, é um dos que possuem legislação amigável ao consumo recreativo e medicinal da maconha, com dispensários espalhados por toda a região e incluindo os condados de Reno e Sparks, vizinhos à cidade.

Normalmente, empresas que queiram aproveitar o fluxo de mídia e turismo trazido pela CES organizam eventos próprios, alugando salas de reunião em um dos diversos cassinos espalhados por Las Vegas. A Keep Labs, porém, preferiu ausentar-se totalmente da ocasião, não comparecendo à cidade neste ano, mas exibindo o prêmio que obteve em sua página oficial.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos