Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.764,26
    +3.046,32 (+2,78%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.853,37
    +392,82 (+0,81%)
     
  • PETROLEO CRU

    91,88
    -2,46 (-2,61%)
     
  • OURO

    1.818,90
    +11,70 (+0,65%)
     
  • BTC-USD

    24.612,47
    -9,34 (-0,04%)
     
  • CMC Crypto 200

    574,64
    +3,36 (+0,59%)
     
  • S&P500

    4.280,15
    +72,88 (+1,73%)
     
  • DOW JONES

    33.761,05
    +424,38 (+1,27%)
     
  • FTSE

    7.500,89
    +34,98 (+0,47%)
     
  • HANG SENG

    20.175,62
    +93,19 (+0,46%)
     
  • NIKKEI

    28.546,98
    +727,65 (+2,62%)
     
  • NASDAQ

    13.580,00
    +268,75 (+2,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2024
    -0,1213 (-2,28%)
     

Cervejarias alemãs temem corte de gás russo

O consumo de cerveja na Alemanha se recuperou no primeiro semestre do ano após a covid-19, mas a ameaça de um corte do fornecimento do gás russo se concentra agora sobre as cervejarias, que temem uma paralisação da produção.

"Sem gás, as prateleiras dos supermercados ficarão vazias", alertou a federação dos cervejeiros, que depende em grande parte deste combustível fóssil para sua produção.

A indústria alimentícia é, depois da indústria química, o setor que mais utiliza gás, principalmente durante o processo de maltagem, a primeira etapa da produção de bebidas alcoólicas.

Após a queda drástica do consumo durante a crise sanitária, a demanda da cerveja voltou a crescer: os alemães beberam 3,6 bilhões de litros entre janeiro e junho, um aumento de 6,4% em um ano.

Mas as exportações caíram 19%, o que representou um declínio de 3,8% nas vendas do setor, segundo o Instituto Federal de Estatística Destatis.

Em comparação com 2019, antes do impacto da pandemia, as cervejarias alemãs venderam 5,5% a menos no primeiro semestre.

"A indústria cervejeira ainda está trabalhando em crise", alerta Holger Eichele, presidente da associação dos cervejeiros.

Atualmente é "impossível" substituir o gás como principal fonte de energia e o impacto do choque energético "ainda não pode ser calculado", acrescenta.

Várias cervejarias já aumentaram seus preços em resposta aos custos de produção mais elevados, antes da guerra na Ucrânia. Desde a invasão russa, os preços de várias matérias-primas, a começar pelos cereais, voltaram a subir.

Os fornecedores das cervejarias, cuja produção também depende do gás, também sofrem os impactos, a começar pelos fabricantes de garrafas de vidro.

ys/jpl/abx/meb/me/aa

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos