Mercado fechará em 6 h 40 min
  • BOVESPA

    121.955,32
    +154,11 (+0,13%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.195,43
    -438,48 (-0,85%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,03
    -0,12 (-0,18%)
     
  • OURO

    1.812,70
    -1,80 (-0,10%)
     
  • BTC-USD

    37.726,52
    -1.068,92 (-2,76%)
     
  • CMC Crypto 200

    935,16
    +8,39 (+0,91%)
     
  • S&P500

    4.402,66
    -20,49 (-0,46%)
     
  • DOW JONES

    34.792,67
    -323,73 (-0,92%)
     
  • FTSE

    7.109,71
    -14,15 (-0,20%)
     
  • HANG SENG

    26.204,69
    -221,86 (-0,84%)
     
  • NIKKEI

    27.728,12
    +144,04 (+0,52%)
     
  • NASDAQ

    15.100,00
    +26,50 (+0,18%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0670
    -0,0513 (-0,84%)
     

Certificados falsos de vacinação inundam a Rússia

·3 minuto de leitura
Paciente recebe dose da vacina Sputnik V em centro de saúde de Moscou, em 26 de abril de 2021

Ao observar os esforços das autoridades russas para convencer a população a tomar a vacina contra o coronavírus, Serguei suspeitou que a pressão aumentaria sobre aqueles que, como ele, desconfiados, rejeitam o fármaco.

Sem a intenção de ceder, mesmo em caso de vacinação obrigatória, o jovem de 30 anos, morador da região de Krasnodar, encontrou na Internet um vendedor de certificados falsos de vacinação, enviou suas informações pessoais pelo aplicativo de mensagens Telegram e transferiu 15.000 rublos (quase US$ 200).

Três semanas depois, Serguei, que prefere não revelar sua identidade real, conseguiu obter no site do governo russo o certificado de duas doses aplicadas da vacina Sputnik V.

Apesar de a eficácia da vacina emblemática para o Kremlin ter sido confirmada desde sua rápida aprovação pelas autoridades de Moscou, em agosto do ano passado, muitos russos rejeitam o fármaco.

Seis meses depois do início da campanha de imunização, apenas 14% da população está vacinada.

"Nesta etapa, a vacina é experimental, e há muitos efeitos colaterais", acredita Serguei, que exibiu à AFP uma captura de tela de seu certificado. "Não vou morrer porque o governo quer que eu tome a vacina", alega.

A postura, compartilhada por muitos, e a notória corrupção na administração pública resultaram em um mercado clandestino on-line, no qual dezenas de vendedores oferecem comprovante falsos de vacinação. Alguns clientes reclamaram que foram enganados, mas outros confirmaram que tudo funcionou como desejavam.

E a demanda é cada vez maior desde que a capital russa decretou em 16 de junho a obrigatoriedade da vacinação para todos os trabalhadores do setor de serviços.

Moscou sofre um grande foco epidêmico, devido à variante Delta, mais contagiosa. Apenas 1,5 milhão dos quase 12 milhões de habitantes da cidade receberam as duas doses da vacina.

Rapidamente, outras regiões russas anunciaram a obrigatoriedade da vacinação para diversas categorias profissionais. A partir de 28 de junho, os moscovitas terão de apresentar um certificado de saúde para entrar em um restaurante.

- Vacinar a pia -

As medidas provocaram um impacto, segundo as autoridades municipais, que afirmam que 60.000 pessoas se registram a cada dia para a vacinação.

Um vendedor de certificados falsos, contactado virtualmente, declarou à AFP que recebe entre 20 e 30 pedidos diários. "Pedem inclusive para 'vacinar' empresas inteiras", afirma, ressaltando que consegue entregar apenas cinco certificados falsos por dia.

A partir de 2.000 rublos (US$ 27,5), é possível obter um documento falso em papel. Mas, para conseguir o mais importante, o documento digital introduzido nas bases de dados do governo, o preço é até 15 vezes superior.

As práticas não surpreendem Pavel Brand, diretor de uma rede de clínicas em Moscou, que considera ainda mais fácil obter certificados de uma vacina sem receber a injeção. "As pessoas simplesmente vão à clínica e pagam a enfermeira para que esvazie o frasco em vez de injetar o fármaco", relata.

O método é conhecido como "vacinar a pia", acrescenta.

Segundo ele, há muito tempo, no contexto do avanço do movimento antivacinas em geral, muitos russos evitam desta maneira o calendário de vacinação de seus filhos.

O fenômeno está aumentando com a desconfiança dos profissionais da saúde. De acordo com uma pesquisa do centro Levada, 31% dos médicos não confiam na Sputnik V.

A polícia moscovita já iniciou investigações penais sobre a venda de certificados falsos e anunciou três detenções na terça-feira (22).

O Departamento de Saúde da capital prometeu demitir os funcionários envolvidos.

emg/pop/alf/pz/mab/mb/fp/tt

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos