Mercado abrirá em 3 h 27 min
  • BOVESPA

    122.515,74
    +714,95 (+0,59%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.869,48
    +1,16 (+0,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,78
    +0,52 (+0,73%)
     
  • OURO

    1.811,90
    -10,30 (-0,57%)
     
  • BTC-USD

    38.592,65
    -958,07 (-2,42%)
     
  • CMC Crypto 200

    936,37
    -24,53 (-2,55%)
     
  • S&P500

    4.387,16
    -8,10 (-0,18%)
     
  • DOW JONES

    34.838,16
    -97,31 (-0,28%)
     
  • FTSE

    7.106,53
    +24,81 (+0,35%)
     
  • HANG SENG

    26.194,82
    -40,98 (-0,16%)
     
  • NIKKEI

    27.641,83
    -139,19 (-0,50%)
     
  • NASDAQ

    14.959,25
    +6,50 (+0,04%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1192
    -0,0249 (-0,41%)
     

Certificado sanitário europeu quer reviver viagens na UE

·3 minuto de leitura
O certificado sanitário europeu em tela de celular, em 16 de junho de 2021

O certificado de saúde europeu entra em vigor nesta quinta-feira na União Europeia, que busca de forma desesperada reviver as viagens e relançar o turismo, apesar das ameaças da variante Delta do coronavírus.

O documento - que poderá ser exibido em formato digital ou impresso - atesta que o portador está totalmente imunizado com uma das vacinas aprovadas na UE, teve resultado negativo em teste recente ou já possui imunidade por ter vencido a infecção.

O certificado vai permitir viajar pelos 27 países da UE e quatro países associados à iniciativa (Islândia, Noruega, Suíça e Liechtenstein).

No momento, 20 países da UE já começaram a emitir e aceitar esses certificados, e os demais deverão aderir, no máximo, até 12 de agosto.

Os países do bloco serão obrigados a aceitar em seu solo viajantes já totalmente imunizados com as vacinas autorizadas na Europa: as da Pfizer/BioNTech, Moderna, AstraZeneca e Johnson & Johnson (esta última em dose única).

Os Estados-membros também podem, mas não são obrigados, a admitir pessoas imunizadas com vacinas licenciadas em determinados países da UE (como a Sputnik russa, usada na Hungria), ou com vacinas aprovadas pela Organização Mundial de Saúde (como a Sinopharm da China).

Embora os titulares de certificados não devam ser submetidos a quarentena ou exame adicional, ainda é possível para um Estado-membro introduzir restrições se a situação no país ou região de origem do viajante se deteriorar.

O acordo que permitiu o certificado estabelece que ele deve conter apenas dados pessoais "estritamente necessários", dados que não podem ser trocados entre países.

No entanto, a generalização da variante Delta, originada na Índia e agora predominante no Reino Unido, poderia promover um novo "freio de emergência" na tentativa de relançar o turismo.

A variante Delta já levou a Alemanha a incluir Portugal, onde esta variante se tornou predominante, na sua lista de países em risco, que proíbe praticamente todas as chegadas deste país.

Por sua vez, a Espanha e Portugal anunciaram abruptamente restrições e exigências adicionais aos viajantes do Reino Unido como resultado da variante Delta.

- Preocupações -

Um porta-voz da Comissão Europeia disse nesta segunda-feira que o Reino Unido "está trabalhando" com a UE para ajustar as exigências de viagens internacionais na pandemia, com o objetivo de obter documentos mutuamente aceitos.

O aumento dramático de infecções pela variante Delta no Reino Unido, que dá ao país uma taxa de infecção quatro vezes maior que a da UE, causa grande preocupação no continente.

Os países da UE adotaram uma recomendação para permitir a entrada apenas de viajantes totalmente vacinados de fora do bloco, ou pessoas com motivos urgentes para viajar.

No entanto, Portugal, Espanha e Grécia optaram inicialmente por uma atitude mais flexível na esperança de reanimar os seus setores de turismo.

Enquanto isso, essa tendência está agora sob forte pressão com a constatação de que a UE está seis semanas atrás do Reino Unido em termos de futuras infecções pela variante Delta.

Outro porta-voz da Comissão Europeia disse que um painel da UE composto por representantes dos Estados-membros e especialistas da Comissão se reuniu hoje para discutir "a possível aplicação do freio de emergência".

Nesse quadro, a chave para determinar se a variante Delta vai estragar a iniciativa do certificado da UE ou simplesmente injetar cautela em seu uso durante o verão europeu será determinar se os programas de vacinação irão manter baixas as infecções, hospitalizações e mortes pelo vírus.

Assim, a UE está no meio de uma corrida contra o tempo para vacinar o maior número de pessoas antes de uma onda de casos de contaminação com a variante Delta.

alm-bur/ahg/mb/mr

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos