Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.672,26
    +591,91 (+0,60%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.741,50
    +1.083,62 (+2,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    107,06
    +2,79 (+2,68%)
     
  • OURO

    1.828,10
    -1,70 (-0,09%)
     
  • BTC-USD

    21.423,71
    -56,29 (-0,26%)
     
  • CMC Crypto 200

    462,12
    +8,22 (+1,81%)
     
  • S&P500

    3.911,74
    +116,01 (+3,06%)
     
  • DOW JONES

    31.500,68
    +823,32 (+2,68%)
     
  • FTSE

    7.208,81
    +188,36 (+2,68%)
     
  • HANG SENG

    21.719,06
    +445,19 (+2,09%)
     
  • NIKKEI

    26.491,97
    +320,72 (+1,23%)
     
  • NASDAQ

    12.132,75
    +395,25 (+3,37%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5524
    +0,0407 (+0,74%)
     

CERN não renovará parcerias internacionais com Rússia e Belarus

A Organização Europeia para a Pesquisa Nuclear (CERN) anunciou, nesta segunda-feira (17), que não renovará a parceria internacional com a Rússia e Belarus, em razão da invasão russa à Ucrânia. A decisão havia sido sinalizada em março.

O CERN, responsável pelo maior laboratório de física de partículas no mundo, alegou que a atual invasão militar russa na Ucrânia é responsável pela crise humanitária e uma perda significativa de vidas humanas desde o final de fevereiro deste ano.

A diretora-geral do CERN, Fabiola Gionotti, explicou que o Conselho condena fortemente a invasão apoiada por Belarus, país vizinho da Rússia. Ainda assim, Gionotti destacou que a porta permanece “entreaberta” para futuras colaborações científicas, caso o cenário permita.

As parcerias duram cinco anos e precisam ser renovadas seis meses antes do fim. Belarus tem o acordo até junho de 2024, enquanto a Rússia até o final deste mesmo ano. "O CERN foi estabelecido após a Segunda Guerra Mundial para unir as nações e os povos na busca pacífica pela ciência", apontou o comunicado.

Estas decisões seguem as linhas adotadas pelo Conselho em março deste ano, quando o CERN anunciou a suspensão de novas parcerias com a Rússia e passaria a apoiar a colaboração com pesquisadores ucranianos.

O CERN também revisará sua parceria com o Instituto Central de Investigações Nucleares (JINR), uma importante organização internacional para pesquisas de física nuclear e subnuclear sediada na Rússia, cujo contrato vai até 2025.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos