Mercado fechado
  • BOVESPA

    109.068,55
    -1.120,02 (-1,02%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.725,96
    -294,69 (-0,58%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,54
    +0,53 (+0,74%)
     
  • OURO

    1.799,20
    +1,20 (+0,07%)
     
  • BTC-USD

    16.857,80
    -212,94 (-1,25%)
     
  • CMC Crypto 200

    394,86
    -7,18 (-1,79%)
     
  • S&P500

    3.933,92
    -7,34 (-0,19%)
     
  • DOW JONES

    33.597,92
    +1,58 (+0,00%)
     
  • FTSE

    7.489,19
    -32,20 (-0,43%)
     
  • HANG SENG

    18.814,82
    -626,36 (-3,22%)
     
  • NIKKEI

    27.628,73
    -57,67 (-0,21%)
     
  • NASDAQ

    11.506,00
    -3,50 (-0,03%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4670
    +0,0006 (+0,01%)
     

Cerca de três quartos dos compradores de bitcoins perderam dinheiro, revela estudo

Aproximadamente três quartos das pessoas que compraram bitcoins perderam dinheiro, segundo um estudo publicado nesta segunda-feira (14), em um momento em que o setor das criptomoedas claudica.

Os economistas do Banco de Pagamentos Internacionais, conhecido como o "banco dos bancos centrais", analisaram os perfis dos investidores de criptoativos de 95 países entre 2015 e 2022.

"No geral, os cálculos (...) sugerem que cerca de três quartos dos usuários perderam dinheiro com seus investimentos em bitcoins", ressaltaram em seu estudo.

A pesquisa se baseou, entre outros, em dados de downloads de aplicativos que permitem comprar bitcoins e nas frequências diárias das transações.

O estudo revelou que 40% dos usuários são homens de 35 anos, mais propensos a correr riscos; e 25% são homens entre os 35 e os 45 anos. Trinta e cinco por cento são mulheres, a maioria com idade inferior a 35 anos.

Durante o período analisado, o preço do bitcoin saltou de 250 dólares, em agosto de 2015, a um valor máximo de quase 69.000 dólares, em novembro de 2021. Agora, está cotado em torno dos 16.500 dólares.

No mesmo período, o número de pessoas que usaram aplicativos que permitem comprar e vender criptoativos aumentou de 119.000 para 32,5 milhões.

"Nossa análise demonstrou que, em todo o mundo, o aumento do preço do bitcoin tem estado vinculado a uma maior entrada de investidores varejistas", informaram os pesquisadores.

Eles também descobriram que, "enquanto os preços subiam e os usuários menores compravam bitcoins, os maiores detentores (chamados de 'baleias') vendiam, obtendo lucros às custas dos usuários menores".

Os estudiosos constataram, ainda, que a maioria dos investidores em criptoativos viam a atividade como um investimento especulativo e que os jovens tendiam a ser mais ativos no comércio nos meses posteriores a uma grande alta do preço do bitcoin.

Portanto, a ideia de que as criptomoedas "vão democratizar o sistema financeiro" merece uma análise mais profunda, afirmaram os autores.

noo/rl/sag/meb/mvv