Mercado abrirá em 7 h 46 min
  • BOVESPA

    101.915,45
    -898,58 (-0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.698,72
    -97,58 (-0,20%)
     
  • PETROLEO CRU

    67,68
    +1,50 (+2,27%)
     
  • OURO

    1.778,40
    +4,80 (+0,27%)
     
  • BTC-USD

    57.076,77
    -169,32 (-0,30%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.469,08
    +26,30 (+1,82%)
     
  • S&P500

    4.567,00
    -88,27 (-1,90%)
     
  • DOW JONES

    34.483,72
    -652,22 (-1,86%)
     
  • FTSE

    7.059,45
    -50,50 (-0,71%)
     
  • HANG SENG

    23.797,09
    +321,83 (+1,37%)
     
  • NIKKEI

    27.979,34
    +157,58 (+0,57%)
     
  • NASDAQ

    16.320,75
    +170,25 (+1,05%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3900
    +0,0200 (+0,31%)
     

Cerca de 20 milhões estão com segunda dose da vacina atrasada

·4 min de leitura

BRASÍLIA— Apesar do avanço na imunização, o abandono vacinal pode prejudicar o controle da pandemia no Brasil. Dados do Ministério da Saúde revelam que pouco mais de 20 milhões de pessoas perderam o prazo para tomar a segunda dose da vacina contra a Covid-19. É o equivalente a 9,3% da população do país, com base na projeção do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Se considerada só a população vacinável — 159,9 milhões de pessoas a partir de 12 anos —, a taxa sobe para 12,5%. Entre as causas apontadas por especialistas para os “faltosos”, estão as mais variadas: de medo de reações adversas, desinformação e esquecimento da data até a sensação de que a pandemia já foi superada.

A maior cobertura vacinal leva à queda da circulação do coronavírus e, consequentemente, do risco do surgimento de novas mutações. Para a professora de Saúde Coletiva da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e integrante do Observatório Covid-19 BR Alexandra Boing, o impacto do abandono vacinal passa pela menor efetividade da imunização:

— Com um menor número de pessoas com esquema vacinal completo se ampliará o risco de formas graves da doença e, consequentemente, de hospitalizações e óbitos por covid-19. Adiciona-se a isso que o maior número de pessoas completamente vacinadas contribui para menor disseminação do vírus, uma vez que os vacinados transmitem menos quando comparados aos não vacinados. Há ganhos individuais e coletivos quando ampliamos a imunização — pondera a epidemiologista.

Dos 20 milhões, quase metade se concentra em São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro e Bahia. O diretor da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm) Renato Kfouri avalia que o total de “faltosos” não é tão alto, diante da complexidade da campanha de vacinação, com longos e diferentes intervalos entre as doses.

Na visão dele, não completar o ciclo de imunização representa mais um risco individual — em relação às chances de infecção, de hospitalização e de óbito, por exemplo — do que coletivo:

— A meu ver, não é um número grande. É claro que num cenário da pandemia, a gente queria 100%, mas é um fato muito comum pra vacinas multidoses — afirma o pediatra infectologista, que completa: — É necessário tomar a segunda dose, a proteção não se sustenta com uma só.

Com a falta de estratégias contra o abandono vacinal, o Brasil vê as estatísticas de atraso no esquema vacinal saltarem desde abril, quando o dado foi divulgado pela primeira vez. Na data, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, anunciou que 1,5 milhão de pessoas deixaram de voltar aos pontos de vacinação.

O dado disparou para 4,6 milhões de pessoas em 30 de julho. Já eram 7 milhões de “faltosos” em 11 de agosto, que passaram a 8,5 milhões no dia 20 do mesmo mês. Como mostrou O GLOBO, o número mais que dobrou em 40 dias, quando alcançou 17,2 milhões de pessoas em 1º de outubro.

— Se eu tenho ainda um contingente muito grande de população que não está completamente vacinado, isso pode atrasar a nossa flexibilização (dentro dos critérios científicos) e o mínimo retorno à normalidade — declara a infectologista Ana Helena Germoglio, do Hospital Regional da Asa Norte (Hran). — Estudos mostram que as pessoas que estão ficando doentes são aquelas que não têm o esquema completo de imunização, principalmente quem ainda não vacinou ou só tem uma dose. Essas pessoas, de forma muito ilusória, se acham protegidas.

Nessa esteira, para além de entender o porquê de as pessoas estarem em atraso com a segunda dose, cientistas avaliam que é preciso definir ações que reduzam as estatísticas de abandono, com a busca ativa por quem ainda não tomou a segunda dose:

— Pela primeira vez, a gente está fazendo campanha com registro nominal. Cada município deve fazer um esforço na busca desses faltosos: por que não veio, se é erro de digitação, melhorar o acesso, fazer vacinação noturna... Entender quais são as causas e procurar soluções — complementa Kfouri.

“O Ministério da Saúde reforça a importância da segunda dose para garantir a máxima proteção dos brasileiros, principalmente, contra as novas variantes. A orientação é completar o esquema vacinal da Covid-19 para que o caráter pandêmico da doença seja superado no país. A pasta continua com sua campanha massiva de incentivo à imunização nacional e a importância da segunda dose e recomenda aos estados e municípios que também façam uma busca ativa da população-alvo”, diz a nota da pasta.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos