Mercado fechado
  • BOVESPA

    119.371,48
    -690,52 (-0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.092,31
    +224,69 (+0,46%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,83
    +0,40 (+0,65%)
     
  • OURO

    1.783,60
    +1,60 (+0,09%)
     
  • BTC-USD

    52.031,27
    -1.724,24 (-3,21%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.199,92
    -43,14 (-3,47%)
     
  • S&P500

    4.134,98
    -38,44 (-0,92%)
     
  • DOW JONES

    33.815,90
    -321,41 (-0,94%)
     
  • FTSE

    6.938,24
    +42,95 (+0,62%)
     
  • HANG SENG

    28.755,34
    +133,42 (+0,47%)
     
  • NIKKEI

    29.188,17
    0,00 (0,00%)
     
  • NASDAQ

    13.754,50
    +4,25 (+0,03%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5430
    +0,0014 (+0,02%)
     

Cerca de 20% dos alimentos são desperdiçados no mundo, diz ONU

Marlowe HOOD
·3 minuto de leitura
Mulher carrega saco de chá, após distribuição de ajuda humanitária do governo etíope, em Alamata, 11 de dezembro de 2020

Quase um bilhão de toneladas de alimentos é desperdiçado a cada ano no mundo, quase 20% dos alimentos à disposição dos habitantes do globo, segundo relatório divulgado nesta quinta-feira (4) pela ONU.

"O problema é enorme. É custoso do ponto de vista ambiental, social e econômico", declarou à AFP Richard Swannel, diretor de desenvolvimento da ONG britânica Wrap, co-autor do relatório sobre o índice de desperdício de alimentos, publicado pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA).

De acordo com seus autores, "o relatório apresenta a coleta, análise e modelagem mais abrangente de dados de resíduos alimentares até hoje". Os dados (para o ano de 2019) foram coletados de 54 países, desenvolvidos e de baixa renda, sobre varejo, restaurantes e residências.

Resultado das compilações, então modeladas em escala global: 931 milhões de toneladas de alimentos jogados fora por ano (o relatório leva em conta as partes comestíveis e não - ossos, cascas).

E ao contrário da crença popular, esses dados mostram que o fenômeno atinge todos os países, independente de seus níveis de renda, ainda que, segundo a ONU, cerca de 700 milhões de pessoas no mundo passem fome e que três bilhões não tenham acesso a alimentos saudáveis, para uma população mundial estimada em 7,8 bilhões.

"Até o momento presente, o desperdício de alimentos tem sido visto como um problema para os países ricos", comentou à AFP a co-autora do PNUMA Clementine O'Connor. "Mas nosso relatório mostra que em todos os países que o mediram, o lixo doméstico é um problema"

Para 121 kg de alimentos desperdiçados a cada ano por habitante da Terra, 74 kg - bem mais da metade - são desperdiçados no nível doméstico.

- Consertar o sistema -

Em termos de percentual do total disponível aos consumidores, 11% são jogados fora em domicílio, 5% nos restaurantes e 2% no varejo.

A Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), por sua vez, elabora um relatório sobre as “perdas” alimentares, medidas ao nível da produção e distribuição agrícola.

De acordo com esses números, cerca de 14% dos alimentos produzidos no mundo são perdidos antes mesmo de chegar ao mercado, totalizando cerca de 400 bilhões de dólares por ano, aproximadamente o PIB da Áustria.

"Se o desperdício e a perda de alimentos fossem um país, seria o terceiro maior emissor de gases de efeito estufa do mundo", observa Richard Swannel.

"Temos que consertar o sistema alimentar se quisermos enfrentar a mudança climática, e uma das prioridades é lidar com o lixo".

Os autores do estudo desta quinta destacam que os alimentos não devem, sobretudo, acabar em aterros, onde não são valorizados e onde seu processo de decomposição emite metano, um poderoso gás de efeito estufa.

Um dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da ONU prevê a redução pela metade do desperdício de alimentos dos consumidores e no varejo até 2030.

As Nações Unidas também devem organizar no outono a primeira "cúpula sobre sistemas alimentares", voltada para modos de produção e consumo mais "saudáveis, sustentáveis e equitativos".

mh-so/may/pcm/mr