Mercado fechará em 1 h 56 min
  • BOVESPA

    113.146,95
    +873,95 (+0,78%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.499,57
    -21,86 (-0,04%)
     
  • PETROLEO CRU

    78,54
    +0,64 (+0,82%)
     
  • OURO

    1.943,40
    +4,20 (+0,22%)
     
  • BTC-USD

    23.119,99
    -59,86 (-0,26%)
     
  • CMC Crypto 200

    525,43
    +6,63 (+1,28%)
     
  • S&P500

    4.040,09
    +22,32 (+0,56%)
     
  • DOW JONES

    33.781,07
    +63,98 (+0,19%)
     
  • FTSE

    7.771,70
    -13,17 (-0,17%)
     
  • HANG SENG

    21.842,33
    -227,40 (-1,03%)
     
  • NIKKEI

    27.327,11
    -106,29 (-0,39%)
     
  • NASDAQ

    12.078,75
    +110,75 (+0,93%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5281
    -0,0189 (-0,34%)
     

Cepal projeta aumento de 20% no volume exportado pela América Latina em 2022

A Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (Cepal) projeta um crescimento de 20% no volume de bens exportado pela região, que se explica sobretudo pelo aumento dos preços dos produtos vendidos, segundo um informe publicado nesta terça-feira (10).

"Para 2022, a Cepal projeta um crescimento de 20% no valor das exportações regionais de bens, impulsionado por uma alta de 14% dos preços e uma expansão de 6% do volume exportado", destaca o informe "Perspectivas do Comércio Internacional da América Latina e do Caribe 2022".

O organismo destaca que esta projeção foi estabelecida com base nos dados do comércio exterior dos países da região entre janeiro e agosto do ano passado.

Em 2021, as exportações de bens da região cresceram 27%.

Enquanto isso, o volume das importações regionais de bens teria um aumento de 24% em 2022, também impulsionadas principalmente pelo "componente preços".

O ritmo de crescimento do comércio exterior no mundo vai desacelerar novamente em 2023, com uma expansão de apenas 1% contra 3,5% previstos para 2022 e 9,8% registrados em 2021, em um contexto marcado pela guerra na Ucrânia, a inflação alta e a persistência da pandemia, destacou a Cepal, citando dados de outubro da Organização Mundial de Comércio (OMC).

msa-mr/mvv/ic