Mercado abrirá em 1 h 31 min
  • BOVESPA

    122.937,87
    +1.057,05 (+0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.371,98
    +152,72 (+0,31%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,52
    +0,25 (+0,38%)
     
  • OURO

    1.867,60
    0,00 (0,00%)
     
  • BTC-USD

    45.522,82
    +296,50 (+0,66%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.264,31
    +66,40 (+5,54%)
     
  • S&P500

    4.163,29
    -10,56 (-0,25%)
     
  • DOW JONES

    34.327,79
    -54,34 (-0,16%)
     
  • FTSE

    7.064,08
    +31,23 (+0,44%)
     
  • HANG SENG

    28.593,81
    +399,72 (+1,42%)
     
  • NIKKEI

    28.406,84
    +582,01 (+2,09%)
     
  • NASDAQ

    13.391,50
    +88,00 (+0,66%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4401
    +0,0302 (+0,47%)
     

Cepal melhora para 4,1% projeção de crescimento para a América Latina em 2021

·2 minuto de leitura
O crescimento da América Latina

Os países da América Latina vão registrar uma expansão média de 4,1%, insuficiente para compensar o impacto da queda do Produto Interno Bruto (PIB) no ano passado como consequência da pandemia do coronavírus, disse a Cepal nesta quinta-feira (29).

A nova estimativa melhora a de dezembro, de um crescimento de 3,7%, feita pela mesma Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (Cepal), organismo técnico das Nações Unidas com sede em Santiago.

"A região encolheu 7,1% em 2020; vai crescer 4,1% este ano, mas não será suficiente para recuperar o nível de atividade pré-pandemia", disse a secretária-executiva da Cepal, Alicia Bárcena, ao apresentar uma edição especial da revista da instituição intitulada "El Covid-19 y la crisis socioeconómica en América Latina y el Caribe" (A Covid-19 e a crise socioeconômica na América Latina e no Caribe).

A esperada recuperação, acrescentou Bárcena, ocorrerá no entanto em um contexto de muita "incerteza".

"O acesso desigual às vacinas, os processos de vacinação e a efetividade das mesmas que tampouco são garantidos nos abrem grandes incertezas para o futuro", explicou.

Adicionalmente, o processo de recuperação econômica da América Latina, a região mais afetada pela pandemia e também a mais prejudicada em termos econômicos e sociais, "pode ser assimétrica, divergente e gerar mais brechas".

O forte impacto da pandemia na região - que gerou a cifra inédita de 44 milhões de desocupados - "se deve a fatores estruturais de longa data que prefiguraram seu estilo disfuncional de desenvolvimento", segundo afirma Bárcena juntamente com Mario Cimoli, secretário-executivo da Cepal, em um dos artigos da revista.

Por isso, acrescentam os autores, a reativação econômica "deverá caminhar, lado a lado, com significativas reformas estruturais produtivas, fiscais e institucionais para avançar na configuração de um novo estilo de desenvolvimento inclusivo e sustentável".

pa/mr/mvv