Mercado fechado
  • BOVESPA

    125.052,78
    -1.093,88 (-0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.268,45
    +27,94 (+0,06%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,17
    +0,26 (+0,36%)
     
  • OURO

    1.802,10
    -3,30 (-0,18%)
     
  • BTC-USD

    32.850,45
    +668,95 (+2,08%)
     
  • CMC Crypto 200

    786,33
    -7,40 (-0,93%)
     
  • S&P500

    4.411,79
    +44,31 (+1,01%)
     
  • DOW JONES

    35.061,55
    +238,20 (+0,68%)
     
  • FTSE

    7.027,58
    +59,28 (+0,85%)
     
  • HANG SENG

    27.321,98
    -401,86 (-1,45%)
     
  • NIKKEI

    27.548,00
    +159,80 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.091,25
    +162,75 (+1,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1216
    +0,0014 (+0,02%)
     

CEOs mostram frustração com lista de problemas na Argentina

·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- A Danone compara fazer negócio na Argentina a andar em uma montanha-russa. A Coca-Cola Femsa considera o mercado argentino um dos mais desafiadores. A siderúrgica Ternium vê um “cenário muito volátil” à frente. A MetLife diz que a Argentina simplesmente não é a escolha certa. O cenário também impacta a gigante de cerveja AmBev.

Empresas globais estão cada vez mais frustradas com a Argentina, de acordo com transcrições de teleconferências trimestrais revisadas pela Bloomberg News. As queixas específicas variam, mas, em termos gerais, os executivos dizem que é difícil ganhar dinheiro em um cenário que inclui controles cambiais, inflação descontrolada, congelamento de preços, múltiplas taxas de câmbio e retração econômica recorde e com uma das quarentenas mais rigorosas da região.

Tudo isso deixa executivos nervosos sobre o que vem a seguir. Alguns não têm paciência para esperar: o Walmart fechou um acordo para vender seus ativos na Argentina neste mês, após 25 anos no país. Outras multinacionais como LatAm Airlines, a varejista chilena Falabella e a empresa de pintura automotiva Axalta Coating Systems interromperam as operações locais neste ano. A Honda Motor suspendeu a fabricação de automóveis na Argentina em maio, enquanto a Starbucks e a American Airlines também reduziram sua presença no país.

A Argentina perdeu mais de 20 mil empregadores do setor privado neste ano, um pouco menos do que os 23 mil perdidos nos três anos anteriores combinados. Sem dúvida, alguns fechamentos de empresas resultam da pandemia de Covid-19 e da rígida quarentena da Argentina.

Mas, em recentes teleconferências sobre balanços, as empresas descreveram uma narrativa angustiante de sua experiência na segunda maior economia da América do Sul, e as reclamações apontam mais para falhas políticas do que para a pandemia.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2020 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos