Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.441,03
    -634,97 (-0,49%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.286,46
    +400,16 (+0,79%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,04
    +0,13 (+0,18%)
     
  • OURO

    1.876,30
    -3,30 (-0,18%)
     
  • BTC-USD

    39.115,71
    +3.487,73 (+9,79%)
     
  • CMC Crypto 200

    980,71
    +38,89 (+4,13%)
     
  • S&P500

    4.247,44
    +8,26 (+0,19%)
     
  • DOW JONES

    34.479,60
    +13,40 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.134,06
    +45,88 (+0,65%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,23 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    28.948,73
    0,00 (0,00%)
     
  • NASDAQ

    14.019,25
    +25,00 (+0,18%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1932
    +0,0006 (+0,01%)
     

CEO do Twitter sobre mudança na forma de minerar Bitcoin: “Menos seguro, mais centralizado”

·2 minuto de leitura
Ícone do Twitter em rede Bitcoin
Ícone do Twitter em rede Bitcoin

O Bitcoin tem sido criticado mundialmente por seu processo de mineração, que consome muita energia, de acordo com alguns estudos. Com consenso de Prova de Trabalho (PoW), a mineração garante uma rede segura e descentralizada. Vale o destaque que há 12 anos em pleno funcionamento, a criptomoeda é a mais segura do mundo.

Soluções alternativas ao PoW sempre surgem no mercado, com criptomoedas que afirmam serem alternativas melhores que o Bitcoin propondo o novo modelo. No entanto, nenhuma delas conseguiu reunir valor e poder computacional como o Bitcoin até hoje.

Este debate voltou a rondar o mercado de criptomoedas após a Tesla parar de aceitar a criptomoeda como meio de pagamento. A justificativa, citada até por Elon Musk, é que há muito consumo de energia envolvido na moeda digital, que vai contra a política ambiental da Tesla.

Após Musk sugerir que a companhia poderia vender suas posses de Bitcoin, o preço da moeda despencou.

Nesta quinta-feira (20), até o Greenpeace anunciou que não irá mais aceitar doações em Bitcoin.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

CEO do Twitter não concorda com alterações de consenso do Bitcoin: “menos seguras”

O Ethereum pode se tornar uma das primeiras criptomoedas a abandonar a mineração a prova de trabalho, migrando a rede para o modelo de Proof of Stake. Dessa forma, menos energia será gasto na proteção da rede e validação dos blocos.

Contudo, uma mudança de tal magnitude não é nem debatida na comunidade do Bitcoin, que ainda confia mais na segurança “do bom e velho” Proof of Work. Um dos que se mostraram contra uma alteração é o CEO do Twitter, Jack Dorsey.

Fã declarado do Bitcoin, Dorsey comentou no Twitter que não acredita na segurança do consenso Proof Of Stake.

Perguntado sobre o que ele acha sobre o consumo do POS ser milhares de vezes menor que o POW, ele foi claro ao mencionar os problemas de segurança do modelo.

Ele também afirmou que o modelo POS atinge outro ponto fundamental para o futuro das criptomoedas: a centralização.

Segundo Dorsey, esses modelos são menos eficazes que o utilizado pelo Bitcoin.

“Menos seguro, mais centralizado.”

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Dorsey havia dito, em um artigo publicado pela New York Magazine nesta quinta (20), que o Bitcoin ainda tornará o mundo mais verde.

De qualquer forma, o debate sobre o uso de energia pelo Bitcoin voltou a ser um dos destaques da criptomoeda, principalmente pelos críticos.

Fonte: Livecoins