Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.256,36
    -3.411,42 (-2,95%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.310,27
    -841,11 (-1,86%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,47
    +0,25 (+0,40%)
     
  • OURO

    1.769,10
    -28,80 (-1,60%)
     
  • BTC-USD

    48.747,45
    +420,36 (+0,87%)
     
  • CMC Crypto 200

    973,73
    -20,93 (-2,10%)
     
  • S&P500

    3.829,34
    -96,09 (-2,45%)
     
  • DOW JONES

    31.402,01
    -559,85 (-1,75%)
     
  • FTSE

    6.651,96
    -7,01 (-0,11%)
     
  • HANG SENG

    30.074,17
    +355,93 (+1,20%)
     
  • NIKKEI

    30.168,27
    +496,57 (+1,67%)
     
  • NASDAQ

    12.788,00
    -514,00 (-3,86%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7372
    +0,1667 (+2,54%)
     

CEO do Twitter pensa em criar uma "loja de algoritmos" para redes sociais

Felipe Ribeiro
·1 minuto de leitura

Atualmente, o que vemos em nossas redes sociais nada mais é fruto daquilo que seguimos. Há, também, as indicações que surgem em nossa timeline que são oriundas de algoritmos, sempre com base, claro, no que visitamos e curtimos ao longo do dia. Para o CEO do Twitter, Jack Dorsey, isso pode ser elevado a um outro nível com a criação de uma loja de aplicativos que já lhe entregasse esses algoritmos prontinhos.

Essa ideia foi revelada em uma ligação do executivo com investidores, na qual ele explica como seria essa loja. Seguindo um conceito de rede social descentralizada, Dorsey explica que as pessoas não precisam depender dessas empresas para montar sua timeline, mas sim, escolhendo por si próprias o que querem ver, sem a intervenção dessas redes.

Segundo ele, esse conceito beneficiaria diretamente o Twitter, já que os microblogs formam uma rede social com muita amplitude e variedade de informações. O Twitter poderia criar seus próprios algoritmos de classificação para as pessoas escolherem e oferecer um “mercado” onde as pessoas selecionam opções diferentes.

“Você pode imaginar uma visão semelhante à de uma app store de algoritmos de classificação que dão às pessoas a flexibilidade máxima em termos de quais postagens são colocadas na frente delas", disse Dorsey, na ligação.

Dentro do Twitter, esse projeto já existe e até recebeu um nome: Bluesky. No momento, a empresa está buscando nomes no mercado para tocar essa empreitada. A ideia inicial não é hospedar essa loja, mas sim fazer dela algo independente.

Vamos ver como será na prática.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: