Mercado abrirá em 7 h 37 min

CEO da Onze também é investidor anjo e aposta em soluções inovadoras para empresas

  • CEO da Onze diz gostar de investir em startups

  • Ele recomenda para a pessoa sem muito dinheiro para investir na própria carreira

  • O CEO destaca também que busca serviços inovadores para as empresas

Antônio Rocha, CEO Onze, fundou há fintech de previdência corporativa há pouco mais de um ano com o propósito de, juntamente com as empresas clientes, ajudar as pessoas a investirem dinheiro de forma recorrente e melhorarem a sua saúde financeira. Além da jornada em sua própria empresa, Rocha se tornou investidor-anjo para ajudar outros empreendedores do universo de startups.

As principais apostas de Rocha são aquelas com o modelo de negócio Business_ to Business_ (B2B). “Eu gosto muito de startups que oferecem serviços para empresas, porque as empresas têm um objetivo de modernização e, para isso, elas precisam de soluções inovadoras”, afirma Rocha.

CEO da Onze gosta de investir em startups. 'Busco soluções inovadoras para as empresas'
CEO da Onze gosta de investir em startups. 'Busco soluções inovadoras para as empresas'

Sobre opções de investimento não relacionadas ao venture capital, Rocha recomenda dois caminhos: “Se a pessoa ainda não tem muito dinheiro para investir, eu recomendo que ela invista na própria carreira para buscar mais renda para investir mais. Quando a pessoa já tem dinheiro, mas não é do mercado financeiro, eu sugiro o suporte de uma assessoria que ofereça opções dentro do perfil de risco adequado”, recomenda o executivo.

Clientes e mercado tornam escolhas difíceis e solitárias, diz CEO

De acordo com o o empreendedor, encontrar um equilíbrio entre os investidores, os colaboradores, os clientes e o mercado é o que torna as escolhas de um CEO mais difíceis e solitárias, mas é preciso abraçar a responsabilidade sobre os acertos e sobre os erros.

“São muitas variáveis para balancear, e nem sempre você consegue tomar a decisão correta. E eu entendo que uma escolha imperfeita é melhor do que não tomar uma decisão, mas eu tendo a tomar mais cuidado e não ser muito impulsivo, porque as nossas escolhas podem nos caçar lá na frente”, afirma o CEO da fintech de previdência corporativa.