Mercado fechado

CEO da Lenscope ficou sem dinheiro no Japão; entenda o caso

Makoto Ikegame, CEO e fundador da Lenscope, passou por poucas e boas durante o processo de criação da healthtech. Ele destaca um perrengue que passou enquanto visitava algumas fábricas de lentes no Japão. “Teve um dia que sobrou um tempo após algumas visitas e eu decidi adiantar a minha agenda”, conta.

O executivo acabou estendendo a visitação na última fábrica. “É normal quando a visita passa um pouco do horário o pessoal de lá te convidar pra comer alguma coisa”, explica ele. Só que acabou ficando um pouco tarde demais. “Quando cheguei na estação, o último trem já tinha partido. Eu estava apenas com o cartão de crédito e tinha esquecido de levar mais dinheiro”.

CEO da Lenscope ficou sem dinheiro no Japão; entenda o caso. Foto: Getty Images.
CEO da Lenscope ficou sem dinheiro no Japão; entenda o caso. Foto: Getty Images.

Só que não era possível comprar a passagem com o cartão naquele horário. Ikegame conta que precisou de muito jogo de cintura para não dormir no banco da estação. “Eu tive que implorar, conversei com um monte de gente lá. No fim, me liberaram de ir de trem sem pagar com o compromisso de pagar no dia seguinte”, relembra.

Makoto Ikegame, CEO e fundador da Lenscope, plataforma pioneira na venda de lentes para óculos pela internet, criou a empresa com um objetivo principal: democratizar o acesso de pessoas com problemas de visão a produtos de qualidade. “No processo, percebi que o grande desafio de saúde da visão não estava em oferecer armações mais bonitas, mais estilosas ou diferentes. O desafio do setor está em fazer as pessoas enxergarem”, conta.

O executivo destaca que os métodos utilizados para transformar uma receita em um óculos são os mesmos que eram usados no final do século XIX, e foi aí que ele encontrou uma brecha para fazer o negócio prosperar. “Havia um espaço para usar a tecnologia para transformar todo esse processo, para repensar essa experiência e trazer para o mundo moderno, tornando-a mais acessível para as pessoas".