Mercado abrirá em 9 h 33 min
  • BOVESPA

    106.858,87
    +1.789,18 (+1,70%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.605,56
    +8,27 (+0,02%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,00
    +0,51 (+0,73%)
     
  • OURO

    1.780,60
    +1,10 (+0,06%)
     
  • BTC-USD

    50.844,81
    +1.789,75 (+3,65%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.314,48
    +54,32 (+4,31%)
     
  • S&P500

    4.591,67
    +53,24 (+1,17%)
     
  • DOW JONES

    35.227,03
    +646,95 (+1,87%)
     
  • FTSE

    7.232,28
    +109,96 (+1,54%)
     
  • HANG SENG

    23.538,52
    +189,14 (+0,81%)
     
  • NIKKEI

    28.272,30
    +344,93 (+1,24%)
     
  • NASDAQ

    15.862,50
    +19,75 (+0,12%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4248
    +0,0012 (+0,02%)
     

CEO da Intel afirma que companhia ultrapassará lei de Moore nos próximos anos

·3 min de leitura

Em entrevista concedida em um evento online, o CEO da Intel Pat Gelsinger afirmou que a marca deverá ultrapassar as estimativas da lei de Moore, além de alcançar concorrentes em 2024 e ultrapassá-los em 2025.

Pat Gelsinger (foto) afirmou que a Intel deverá retomar o ritmo de desenvolvimento dos componentes nos próximos anos (Imagem: Divulgação/Intel)
Pat Gelsinger (foto) afirmou que a Intel deverá retomar o ritmo de desenvolvimento dos componentes nos próximos anos (Imagem: Divulgação/Intel)

Apesar do que a nomenlactura pode sugerir, a lei de Moore não tem relação com processos naturais, mas diz respeito a um padrão de desenvolvimento de tecnologias para produção de semicondutores. A lei foi observada por Gordon Moore em 1965, e diz que a quantidade de transistores em uma plataforma deve dobrar a cada dois anos, enquanto a capacidade de processamento dos dispositivos dobra a cada 18 meses, sem grandes aumentos nos custos de produção e venda.

Ao longo dos mais de 50 anos de existência da lei de Moore, as fornecedoras já tiveram alguns momentos de dificuldade para alcançar o ritmo proposto por ela. Porém, de acordo com Gelsinger, a lei "está viva e passa bem", por conta do surgimento de algumas inovações na área.

O otimismo do CEO contrasta com os resultados registrados pela Intel nos últimos cinco anos, em que a companhia viu concorrentes como TSMC e Samsung tomarem a liderança em status e avanço de suas tecnologias, já que gerenciaram de forma mais eficiente a transição para processos de 10 nanômetros, enquanto a Intel ficou estagnada nos 14 nanômetros por um período considerável.

Concepção clássica da lei de Moore indica que número de transistores deve dobrar a cada dois anos (Imagem: Divulgação/Intel)
Concepção clássica da lei de Moore indica que número de transistores deve dobrar a cada dois anos (Imagem: Divulgação/Intel)

Nos últimos anos, a lei de Moore tem sido interpretada de forma diferente em comparação com décadas anteriores. Como o desenvolvimento geral está fazendo com que elementos dos chips cheguem a dimensões minúsculas, o custo para alcançar novos marcos se torna cada vez mais inviável — além disso, problemas relacionados a consumo de energia costumam provocar limitações nas velocidades de clock dos componentes. Por isso, ficou mais comum relacionar a lei com o progresso de performance em equilíbrio com a potência utilizada, em vez de considerar somente a quantidade de transistores.

Porém, Pat Gelsinger fez questão de afirmar que se referia à concepção tradicional da lei de Moore, e que deverá "dobrar a curva [do gráfico] em mais do que o dobro a cada dois anos", em alusâo à quantidade de transistores nas suas plataformas. No momento, a Intel está produzindo e entregando os chips da série Alder Lake de 12ª geração para PCs, com litografia de 10 nanômetros e um processo de manufatura denominado de Intel 7.

Outras melhorias na produção de chips

Implementação do RibbonFET é fundamental para os planos da Intel (Imagem: Divulgação/Intel)
Implementação do RibbonFET é fundamental para os planos da Intel (Imagem: Divulgação/Intel)

No mesmo evento, Pat Gelsinger mostrou dois pontos que considera importantes para fazer com que a Intel reassuma a liderança em avanço de suas tecnologias. O RibbonFET — também conhecido como "Gate-All-Around" — permite uma utilização de mais camadas para controlar a passagem de corrente elétrica, com um revestimento mais completo que possibilita uma maior eficiência e distâncias ainda menores entre os transistores.

Já o PowerVia mudará as etapas de processamento, pois os novos chips poderão extrair a energia elétrica em uma de suas pontas, enquanto as conexões para comunicação de dados ficam do outro lado. Atualmente, as duas funções são acumuladas em apenas um lado, o que provoca uma limitação na miniaturização dos elementos.

Assim como outras companhias, espera-se que a Intel comece a implementar a utilização de raios ultravioleta extremos (EUV) para a produção de seus semicondutores, o que deverá cortar etapas e simplificar o processo — porém, a mudança tem um custo bastante alto para as marcas.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos