Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.232,74
    +1.308,56 (+1,22%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.563,98
    +984,08 (+1,98%)
     
  • PETROLEO CRU

    113,88
    -0,32 (-0,28%)
     
  • OURO

    1.823,00
    +9,00 (+0,50%)
     
  • BTC-USD

    30.059,96
    -1.088,44 (-3,49%)
     
  • CMC Crypto 200

    667,04
    +424,36 (+174,87%)
     
  • S&P500

    4.008,01
    -15,88 (-0,39%)
     
  • DOW JONES

    32.223,42
    +26,76 (+0,08%)
     
  • FTSE

    7.464,80
    +46,65 (+0,63%)
     
  • HANG SENG

    19.950,21
    +51,44 (+0,26%)
     
  • NIKKEI

    26.547,05
    +119,40 (+0,45%)
     
  • NASDAQ

    12.255,50
    +10,75 (+0,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2785
    +0,0194 (+0,37%)
     

CEO da Holu recomenda frase de impacto e 'foco na dor' para pitch

A ideia de “chegar chegando” é a principal aposta de Rodrigo Freire quando o objetivo é convencer um investidor a embarcar em um negócio. Para o co-fundador e CEO da Holu é preciso pensar em uma boa frase de efeito para abrir um pitch. “É o punch line. É ali que você vai dar o tom do que você vai falar e vai colocar a ideia na cabeça das pessoas que como elas vão enxergar o negócio que está sendo apresentado”, afirma o executivo.

Outro ponto que Freire destaca em um pitch é o foco na dor que o negócio se propõe a resolver. Um exemplo colocado por ele é a forma como a Holu, startup que facilita o acesso da população a sistemas de energia solar desde o projeto até a instalação, é apresentada. “Nós começamos dizendo que era energia solar descomplicada. Mas nem todo mundo entende o que é energia solar (...) Então eu prefiro falar que eu livro o brasileiro da dor de pagar a maior tarifa (de energia elétrica) do mundo”, explica Freire.

O propósito do líder da Holu

Com a carreira marcada pela diversidade de temas que abraçou, Rodrigo Freire se formou em Direito pela PUC de São Paulo e chegou a advogar por alguns anos na área empresarial. Em 2013, Freire fez uma transição para o setor financeiro e passou a atuar com fundos de investimentos. Em 2018, a busca por um propósito na vida profissional fez o advogado buscar uma pausa. Foi então que ele foi para a Suíça, onde cursou um MBA e reestruturou o futuro da sua carreira.

De volta ao Brasil, em 2019, Freire se tornou diretor geral do Uber Eats nas regiões Norte e Nordeste, abrindo assim o olhar para a Nova Economia. Em 2020, o executivo foi convidado para liderar a Holu, a startup que tem como missão democratizar o acesso dos brasileiros à energia solar. “Esse momento casou com a chegada do meu primeiro filho (...) Ao virar pai, veio muito forte a preocupação com o futuro dos meus filhos e em conseguir trabalhar com algo em que eu acredito e mantendo o equilíbrio com a minha vida pessoal”, afirma o CEO da Holu.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos