Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.923,93
    +998,33 (+0,90%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.234,37
    -223,18 (-0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,34
    -0,88 (-1,08%)
     
  • OURO

    1.797,30
    -3,80 (-0,21%)
     
  • BTC-USD

    16.969,86
    -50,65 (-0,30%)
     
  • CMC Crypto 200

    404,33
    +2,91 (+0,72%)
     
  • S&P500

    4.071,70
    -4,87 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    34.429,88
    +34,87 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.556,23
    -2,26 (-0,03%)
     
  • HANG SENG

    18.675,35
    -61,09 (-0,33%)
     
  • NIKKEI

    27.777,90
    -448,18 (-1,59%)
     
  • NASDAQ

    11.979,00
    -83,75 (-0,69%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4940
    +0,0286 (+0,52%)
     

CEO da FTX tuita freneticamente e diz querer devolver criptomoedas dos clientes

CEO da FTX, SBF
CEO da FTX, SBF

O CEO da FTX, Sam Bankman-Fried (SBF), voltou a confessar que falhou com o seu serviço de corretora e disse que espera devolver as criptomoedas para os clientes. Em uma sequência de mensagens que começou confusa, o executivo tentou esclarecer a situação.

Durante a sequência de mensagens, SBF chegou a dizer que sua memória estava falhando. De fato, essa não é uma mensagem otimista para quem investiu no negócio, e que aguarda informações concretas.

Na última quarta-feira (15), Sam começou a falar com mais clareza com clientes, se comprometendo a resolver a situação, se puder.

"Eu falhei, mas quero devolver criptomoedas dos clientes", diz CEO da FTX

A agonia vivida por clientes da FTX é grande no mercado, já alcançando dez dias desde que a corretora travou saques.

Sem muitas informações concretas, com o sumiço do executivo, muitos aguardam por maior clareza.

E na última terça, SBF começou tuitar freneticamente e só terminou nesta quarta-feira (16). De acordo com ele, sua explicação é necessária para esplicar os problemas atuais vividos por suas empresas.

"Eu vou chegar ao que aconteceu. Mas, por enquanto, vamos falar sobre onde estamos hoje."

Assim, Sam explicou que já se encontrou com reguladores e explicou toda a situação. Ou seja, ele tenta mostrar que segue trabalhando e tentando resolver toda a confusão.

O foco atual da operação é para devolver as criptomoedas para seus clientes, disse o ex-CEO da FTX.

Por que a FTX colapsou?

Entre suas explicações, chama atenção que Sam Bankman-Fried disse o que o mercado já sabia. Isso porque, ele confessou que a operação da FTX estava muito alavancada, em um nível que ele perdeu o controle.

Assim, quando o mercado desconfiou de suas ações e pediu saques em massa, a corretora colapsou.

"Algumas semanas atrás, a FTX estava lidando com cerca de US$ 10 bilhões/dia de volume e bilhões de transferências. Mas havia muita alavancagem - mais do que eu percebi. Uma corrida aos bancos e uma quebra do mercado esgotaram a liquidez."

Ele disse falhou em reconstruir seu império, indicando ainda que todos sabem que ele já falhou no passado recente. Mesmo com essa perspectiva, ele disse que vai devolver as criptomoedas aos clientes.

Verdade?

A questão é que como SBF não apresentou dados concretos, clientes ainda não conseguem confiar em sua palavra.

Em suas publicações mais recentes, por exemplo, ele apresentou poucos números. Contudo, em todos os dados ele colocou um alerta de que "posso estar errado".

Com sua reputação abalada, tudo indica que SBF terá de se esforçar mais para convencer os clientes de que será possível obter suas criptomoedas novamente, com um plano concreto e provas de reservas.

Um de seus seguidores pelo Twitter inclusive pediu que ele leve mais a sério a situação.

"O cara, isso é muito ruim. Quanto mais você tweeta, mais você se desacredita. Você realmente deveria parar e se concentrar em sua próxima luta legal. É a batalha da sua vida. Você realmente deveria levar isso a sério e parar de jogar números aleatórios para se sentir melhor, meu amigo."

Fonte: Livecoins

Veja mais notícias sobre Bitcoin. Siga o Livecoins no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.