Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.038,11
    +2.117,11 (+1,77%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.249,02
    +314,12 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,90
    +0,19 (+0,29%)
     
  • OURO

    1.831,30
    +15,60 (+0,86%)
     
  • BTC-USD

    57.483,84
    -1.195,49 (-2,04%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.480,07
    +44,29 (+3,08%)
     
  • S&P500

    4.232,60
    +30,98 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    34.777,76
    +229,26 (+0,66%)
     
  • FTSE

    7.129,71
    +53,54 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    28.610,65
    -26,81 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    29.357,82
    +26,42 (+0,09%)
     
  • NASDAQ

    13.709,75
    +112,00 (+0,82%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3651
    -0,0015 (-0,02%)
     

CEO da Epic Games e diretor da Apple estarão em julgamento antitruste em maio

·1 minuto de leitura
.

(Reuters) - O presidente-executivo da Epic Games, Tim Sweeney, vai comparecer ao julgamento do processo antitruste contra a Apple, enquanto o diretor de App Store da fabricante do iPhone, Phil Schiller, também estará presente, afirmaram advogados para ambas as empresas nesta quarta-feira.

Nenhuma câmera será permitida no julgamento que começa em 3 de maio em Oakland, na Califórnia, entre a criadora do jogo "Fortnite" e a Apple, afirmou a juíza norte-americana Yvonne Gonzalez Rogers numa conferência anterior ao julgamento.

A Epic implementou no ano passado seu próprio sistema de pagamento dentro do aplicativo nos iPhones para evitar taxas da Apple, uma violação das regras da loja de aplicativos da Apple, a Apple App Store.

A Apple então removeu aplicativos da Epic de sua loja, incluindo o Fortnite. Depois disso, a Epic abriu um processo antitruste alegando que a Apple abusa de sua dominância no mercado de aplicativos para celulares.

Uma transmissão em áudio será disponibilizada ao público, que terá acesso às exposições apresentadas durante o julgamento, disse a magistrada. Apenas um membro da imprensa poderá monitorar o julgamento do tribunal.

(Por Chavi Mehta em Bengaluru e Stephen Nellis em San Francisco)