Mercado abrirá em 2 h 40 min
  • BOVESPA

    110.132,53
    +346,23 (+0,32%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.200,59
    -535,89 (-1,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    44,97
    -0,74 (-1,62%)
     
  • OURO

    1.818,70
    +7,50 (+0,41%)
     
  • BTC-USD

    16.979,10
    -1.000,08 (-5,56%)
     
  • CMC Crypto 200

    330,42
    -40,10 (-10,82%)
     
  • S&P500

    3.629,65
    -5,76 (-0,16%)
     
  • DOW JONES

    29.872,47
    -173,77 (-0,58%)
     
  • FTSE

    6.367,42
    -23,67 (-0,37%)
     
  • HANG SENG

    26.819,45
    +149,70 (+0,56%)
     
  • NIKKEI

    26.537,31
    +240,45 (+0,91%)
     
  • NASDAQ

    12.182,50
    +30,25 (+0,25%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3411
    +0,0034 (+0,05%)
     

CEO da Brookfield Asset aposta em reocupação de escritórios

Erik Schatzker
·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- A onda trabalhar em casa é exagerada e todos estarão de volta aos escritórios antes do imaginado. No clima de hoje, com a eleição presidencial nos EUA daqui a alguns dias, isso poderia ser uma declaração política.

Mas essa é a visão de Bruce Flatt, diretor-presidente da Brookfield Asset Management, que vai na contramão sobre a pandemia e uma justificativa de por que está pronto para gastar bilhões de dólares em imóveis nos próximos 18 meses.

O executivo descreve a fuga de famílias jovens para distritos longe dos centros urbanos como uma “anomalia” e as políticas de trabalho em casa permanentes, populares no Vale do Silício, como impraticáveis porque “as eficiências não estão nem perto” das oferecidas em um local de trabalho compartilhado. Na verdade, disse, empresas de tecnologia estão alugando ou comprando mais espaço no centro das cidades, não menos.

Flatt - que administra cerca de US$ 200 bilhões em propriedades comerciais, incluindo dezenas de torres de escritórios - argumenta que as grandes cidades são resilientes: Londres sobreviveu à Blitz durante a Segunda Guerra Mundial, e Nova York se recuperou da gripe espanhola de 1918, dos ataques terroristas em 2001 e do furacão Sandy em 2012.

“As pessoas gostam de se associar com outras pessoas, gostam de estar na moda, onde há empregos, podem ir a pé para o trabalho, podem fazer todas as coisas que vêm junto com isso, e isso não vai parar”, disse Flatt em entrevista à Bloomberg. “Essas cidades não vão desaparecer.”

Flatt disse que inquilinos corporativos, em sua maioria, querem os funcionários em suas mesas. A Brookfield, como outras empresas com participação no setor imobiliário, foi um dos primeiros empregadores a reocupar escritórios em Manhattan ao trazer centenas de trabalhadores de volta a partir de junho.

Planos de expansão

Com os casos Covid-19 em novo recordes nos EUA e aumentando no mundo todo, a confiança de Flatt em um retorno às normas pré-pandemia se destaca, e pode ser ilusória. Mas a Brookfield - que administra US$ 550 bilhões em imóveis, infraestrutura, energia renovável, private equity e crédito - historicamente ganhou dinheiro comprando o que outros precisam vender a preços de pechincha.

Cm cerca de US$ 80 bilhões de capital de balanço e reservas em fundos levantados com clientes da Brookfield, Flatt disse que espera que empresas e investidores se desfaçam de ativos que não podem mais pagar depois dos altos empréstimos para sobreviver às paralisações devido ao coronavírus. Os governos com déficits sem precedentes por causa dos gastos com estímulos irão acelerar as privatizações de ativos estatais.

Por enquanto, os mercados refletem uma visão mais pessimista. As ações da Brookfield caíram 30% desde o final de fevereiro, enquanto um índice de fundos de investimento imobiliário com propriedades nos EUA se desvalorizou quase 20%.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2020 Bloomberg L.P.