Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.399,91
    +2.506,91 (+2,30%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.895,63
    +1.116,73 (+2,67%)
     
  • PETROLEO CRU

    44,16
    -0,39 (-0,88%)
     
  • OURO

    1.817,10
    -1,80 (-0,10%)
     
  • BTC-USD

    18.749,47
    +5,43 (+0,03%)
     
  • CMC Crypto 200

    368,14
    -11,72 (-3,09%)
     
  • S&P500

    3.662,45
    +40,82 (+1,13%)
     
  • DOW JONES

    29.823,92
    +185,32 (+0,63%)
     
  • FTSE

    6.384,73
    +118,54 (+1,89%)
     
  • HANG SENG

    26.567,68
    +226,18 (+0,86%)
     
  • NIKKEI

    26.744,13
    -43,41 (-0,16%)
     
  • NASDAQ

    12.438,75
    -13,50 (-0,11%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3055
    -0,0015 (-0,02%)
     

CEO da ADM vê temor com segurança alimentar por pandemia; destaca compras do Brasil

Por Tom Polansek
·2 minuto de leitura
Juan Luciano, CEO da Archer Daniels Midland

CEO da ADM vê temor com segurança alimentar por pandemia; destaca compras do Brasil

Juan Luciano, CEO da Archer Daniels Midland

Por Tom Polansek

CHICAGO (Reuters) - A pandemia da Covid-19 está aumentando a preocupação de governos com a segurança alimentar, e pela primeira vez em muito tempo vários países precisam de ofertas de soja e milho dos Estados Unidos para atender às demandas, disse o presidente-executivo da Archer Daniels Midland, Juan Luciano, nesta sexta-feira.

A pandemia afetou as cadeias de oferta de todo o mundo, à medida que alguns consumidores estocam alimentos e o vírus ameaça as operações de processamento em caso de os trabalhadores contraírem a doença.

"Você vê governos mais preocupados com a segurança alimentar agora, e com a capacidade de continuar fornecendo alimentos para o mundo", disse Luciano em uma conferência após a divulgação dos resultados trimestrais da empresa.

A ADM, uma importante trading global de grãos, pode se beneficiar do aumento das preocupações, pois seus operadores e exportadores conectam regiões que possuem oferta em excesso àquelas que enfrentam déficits, afirmou Luciano.

O executivo disse ainda que o Brasil, maior produtor e exportador de soja do mundo, está entre os países que estão importando alimentos, incluindo a oleaginosa. Alguns dos fornecedores são Uruguai e Paraguai, parceiros comerciais do Mercosul.

Luciano afirmou que o Brasil esgotou seus estoques de soja e enfrenta um ambiente de inflação nos preços domésticos.

Na véspera, o presidente Jair Bolsonaro chamou a atenção para importações do país em um ambiente de baixa oferta após fortes exportações.

Os comentários foram feitos em meio a informações de mercado não confirmadas de que o Brasil importou soja dos EUA.

Enquanto isso, os agricultores da Argentina, onde a moeda é muito volátil, têm pouco incentivo para vender sua produção, disse Luciano, o que coloca os EUA na posição de fornecedor fundamental.

"Pela primeira vez em muito tempo, o mundo precisa da oferta tanto de soja quanto de milho dos EUA", afirmou o executivo.

O governo da China está discutindo emitir para o ano que vem cotas para importações adicionais de milhões de toneladas de milho, conforme noticiou a Reuters, em meio a uma disparada na demanda por ração animal.

"Hoje, o mundo está apertado... Há uma grande demanda da China", disse Luciano.

A ADM hibernou a produção de duas usinas de etanol de milho nos EUA neste ano, uma vez que a pandemia reduziu a demanda por gasolina. As instalações permanecerão hibernadas no inverno (do Hemisfério Norte), mas podem ser retomadas no primeiro semestre de 2021, acrescentou o diretor financeiro da empresa, Ray Young.

Em outras unidades, a ADM aumentou a produção de álcool para a fabricação de higienizadores de mãos.

(Reportagem adicional de Roberto Samora, em São Paulo)