Mercado abrirá em 9 h 23 min
  • BOVESPA

    100.591,41
    -172,59 (-0,17%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.435,45
    +140,65 (+0,29%)
     
  • PETROLEO CRU

    110,96
    -0,80 (-0,72%)
     
  • OURO

    1.821,50
    +0,30 (+0,02%)
     
  • BTC-USD

    20.356,68
    -317,75 (-1,54%)
     
  • CMC Crypto 200

    441,16
    -8,91 (-1,98%)
     
  • S&P500

    3.821,55
    -78,56 (-2,01%)
     
  • DOW JONES

    30.946,99
    -491,31 (-1,56%)
     
  • FTSE

    7.323,41
    +65,09 (+0,90%)
     
  • HANG SENG

    22.054,85
    -364,12 (-1,62%)
     
  • NIKKEI

    26.759,99
    -289,48 (-1,07%)
     
  • NASDAQ

    11.692,00
    +17,75 (+0,15%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5438
    +0,0023 (+0,04%)
     

CEO admite ter roubado R$ 82 milhões de empresa nos EUA

·3 min de leitura
A CEO nos EUA de uma fabricante alemã de lâminas de serra se declarou culpada de roubar US$ 15 milhões (R$ 82 milhões) da empresa para financiar uma butique de roupas e móveis de luxo. (John Lamparski/Getty Images) (Getty Images)
  • CEO da Tigra USA admitiu o desvio durante seu período na companhia

  • Uso do dinheiro serviu para compra de roupas, diárias caríssimas de hotéis e jantares

  • Cartão da companhia foi usado, inclusive, para pagar casamento de familiares

A CEO nos EUA de uma fabricante alemã de lâminas de serra se declarou culpada de roubar US$ 15 milhões (R$ 82 milhões) da empresa para financiar uma butique de roupas e móveis de luxo que ela administrava paralelamente.

Leia mais

Donna Osowitt Steele, 52, de Taylorsville, Carolina do Norte, trabalhava para a Tigra USA desde 1999, começando no departamento de expedição e chegando à diretora executiva. Os promotores dizem que a partir de 2013, Steele começou a furtar dos cofres da empresa com sede em HIckory-NC., eventualmente embolsando milhões.

Escrevendo cheques da empresa para si mesma e usando cartões de crédito da empresa, Steele usou US$ 350.000 (R$ 1,9 milhões) do dinheiro para lançar um negócio de roupas e móveis de luxo chamado Opulence by Steele.

No entanto, a confissão de culpa não foi a primeira vez que Steele foi acusada de peculato. Em 1995, ela se declarou culpada de roubar US$ 500.000 (R$ 2,7 mihões) durante um período de seis meses de uma empresa familiar onde trabalhava, de acordo com o Hickory Daily Record. Ela serviu quase um ano na prisão estadual e foi condenada a devolver o dinheiro. Ela também teve condenações anteriores por furto e emissão de cheques sem fundo.

A CEO nos EUA de uma fabricante alemã de lâminas de serra se declarou culpada de roubar US$ 15 milhões (R$ 82 milhões) da empresa para financiar uma butique de roupas e móveis de luxo. (Getty Images)
A CEO nos EUA de uma fabricante alemã de lâminas de serra se declarou culpada de roubar US$ 15 milhões (R$ 82 milhões) da empresa para financiar uma butique de roupas e móveis de luxo. (Getty Images)

Gastos extravagantes

Ela também foi acusada de gastar mais de US$ 1 milhão (R$ 5,5 milhões) em viagens luxuosas, incluindo US$ 255.000 (R$ 1,4 milhões) no Plaza Hotel em Nova York e US$ 155.000 (R$ 856 mil) no Ritz Carlton Kapalua no Havaí. Ela também gastou US$ 6.800 (R$ 38 mil) em uma viagem para ver um jogo de futebol Notre Dame-Virginia Tech.

Steele foi acusada de gastar mais de US$ 200.000 do dinheiro da empresa para pagar o casamento de um parente e US$ 100.000 (R$ 550 mil) em flores cortadas, além de outros US$ 100.000 (R$ 550 mil) em roupas e bolsas Gucci. Os promotores também acusaram Steele de gastar mais de US$ 500.000 (R$ 2,7 milhões) em joias.

Steele se declarou culpada na quarta-feira (12) em um tribunal federal da Carolina do Norte por fraude eletrônica. Ela pode pegar até 20 anos de prisão.

De acordo com documentos judiciais, quando as empresas de cartão de crédito sinalizavam as compras como suspeitas, Steele dizia que elas haviam sido autorizadas. Por causa de seus gastos generosos, a empresa começou a ter problemas para pagar fornecedores e cobrir suas próprias despesas com folha de pagamento. Os funcionários da empresa também começaram a ver cobranças negadas em seus cartões de crédito corporativos.

Para encobrir ainda mais seus rastros, os promotores afirmam que Steele disse aos funcionários que a controladora na Alemanha estava tendo problemas financeiros. Ela também disse a eles para limitar as comunicações com seus colegas na Alemanha e entregar as senhas de todos os sistemas da empresa para ela.

Os funcionários da empresa na Alemanha acabaram ficando desconfiados e começaram a investigar, descobrindo grandes discrepâncias nos livros da empresa. Eles então demitiram Steele e contataram ao FBI. “Estamos satisfeitos que a justiça esteja sendo feita”, disse Bernd Motzer, um membro da família proprietária da Tigra que assumiu o cargo de presidente e CEO de sua divisão nos EUA depois que Steele foi demitido.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos