Mercado fechado

Centro de São Paulo registra aglomerações e comércio ambulante no 1º dia de reabertura do comércio de rua

Centro de São Paulo registra aglomerações desde as primeiras horas do dia - Foto: Reprodução/TV Globo

Em meio à pandemia do novo coronavírus, São Paulo vive nesta quarta-feira (10) uma reabertura que deveria ser parcial (por 4h e fora do horário de pico) do comércio de rua. Entretanto, filas e aglomerações foram registradas na capital paulista logo cedo, horas antes da reaberturas da lojas.

De acordo com a determinação do prefeito Bruno Covas (PSDB), os estabelecimentos podem voltar a funcionar entre 11h e 15h. Muito antes, ambulantes já comercializavam produtos no meio da rua e pessoas circulavam com sacolas e carrinhos.

Leia também:

A região central, no bairro do Brás e arredores, foi alvo de fiscalização desde o início da pandemia do novo coronavírus, exatamente por não respeitar as medidas de isolamento social estabelecidas.

Além do comércio de rua, imobiliárias podem retornar a suas funções nesta quarta-feira. A partir de quinta-feira (11), shoppings poderão reabrir também de forma parcial, durante 6h, fora do horário de pico (das 6h às 10h ou das 16h às 20h) e com público limitado a 20%.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Os estabelecimentos terão horário de funcionamento reduzido e terão que seguir protocolos sanitários. Para garantir segurança à população, a prefeitura diz que colocou 92% da frota de ônibus da cidade em operação, com objetivo de acomodar a maior movimentação de passageiros pela cidade.

Recorde de mortes

A reabertura da capital paulista acontece justamente após o estado de São Paulo registrar 334 mortes causadas pelo novo coronavírus em 24 horas, o maior número em um dia desde o começo da pandemia da Covid-19, segundo os dados divulgados nesta terça-feira (9). O último recorde havia sido de 327, batido na última terça-feira (2).

Desde o início da pandemia, o Estado de São Paulo acumula mais de 9.500 vítimas da pandemia.

Siga o Yahoo Notícias no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube e aproveite para se logar e deixar aqui abaixo o seu comentário.