Mercado abrirá em 7 h 3 min
  • BOVESPA

    129.513,62
    +1.085,64 (+0,85%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.558,32
    +387,54 (+0,77%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,45
    +0,15 (+0,20%)
     
  • OURO

    1.779,40
    +2,70 (+0,15%)
     
  • BTC-USD

    34.525,20
    +1.626,14 (+4,94%)
     
  • CMC Crypto 200

    830,28
    +43,66 (+5,55%)
     
  • S&P500

    4.266,49
    +24,65 (+0,58%)
     
  • DOW JONES

    34.196,82
    +322,58 (+0,95%)
     
  • FTSE

    7.109,97
    +35,91 (+0,51%)
     
  • HANG SENG

    29.256,30
    +373,84 (+1,29%)
     
  • NIKKEI

    29.053,93
    +178,70 (+0,62%)
     
  • NASDAQ

    14.364,75
    +10,50 (+0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,8661
    +0,0038 (+0,06%)
     

Centrais sindicais e movimentos sociais fazem protesto por vacina e auxílio de R$ 600

·2 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Centrais sindicais e outras entidades fizeram nesta quarta-feira (26) uma manifestação na Esplanada dos Ministérios, próximo ao Congresso Nacional, em Brasília (DF), pela volta do auxílio de R$ 600, contra a fome e pela vacinação contra a Covid-19.

O protesto foi convocado por CUT (Central Única dos Trabalhadores), Força Sindical, UGT (União Geral dos Trabalhadores), CTB (Central dos Trabalhadores do Brasil), Nova Central, CSB (Central dos Sindicatos do Brasil), Intersindical, Pública, CSP-Conlutas, CGTB (Central Geral dos Trabalhadores do Brasil), MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra), Contag (Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura) e frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo.

Por volta do meio-dia, representantes dos movimentos entregaram ao vice-presidente da Câmara, Marcelo Ramos (PL-AM), uma agenda legislativa das centrais, criada junto ao Diap (Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar) e ao Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos).

Ao fim da manifestação, houve a doação de três toneladas de alimentos à cooperativa de catadores de material reciclável do Distrito Federal, feita por agricultores ligados ao MST e à Contag.

As cestas com esses alimentos foram usadas, no gramado em frente ao Congresso, para escrever "600", em referência ao valor do auxílio emergencial pago em 2020. Neste ano, o benefício a autônomos sem renda e desempregados voltou a ser pago. Agora, porém, ele varia de R$ 150 a R$ 375.

Além de faixas nas quais era possível ler frases como "Vacina do braço" e "Comida no prato", havia cartazes e bandeiras contra o presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

Os sindicatos também montaram carrinhos de compras, como os usados em supermercados, para demonstrar o quanto era possível comprar com o auxílio emergencial de R$ 600, pago no ano passado, e com R$ 250, o valor médio liberado neste ano.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos