Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.923,93
    +998,33 (+0,90%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.234,37
    -223,18 (-0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,34
    -0,88 (-1,08%)
     
  • OURO

    1.797,30
    -3,80 (-0,21%)
     
  • BTC-USD

    16.955,55
    -116,03 (-0,68%)
     
  • CMC Crypto 200

    404,33
    +2,91 (+0,72%)
     
  • S&P500

    4.071,70
    -4,87 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    34.429,88
    +34,87 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.556,23
    -2,26 (-0,03%)
     
  • HANG SENG

    18.675,35
    -61,09 (-0,33%)
     
  • NIKKEI

    27.777,90
    -448,18 (-1,59%)
     
  • NASDAQ

    11.979,00
    -83,75 (-0,69%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4940
    +0,0286 (+0,52%)
     

Centeno vê possibilidade de aumento de juros de menos de 0,75 p.p. pelo BCE

LISBOA (Reuters) - O próximo aumento nas taxas de juros pelo Banco Central Europeu pode ser menor que o recorde de 0,75 ponto percentual decidido em suas duas últimas reuniões, disse o membro do banco Mario Centeno nesta segunda-feira.

Com a taxa de inflação em dois dígitos, o BCE aumentou as taxas de juros em 2 pontos percentuais em apenas três meses a partir de mínimas recordes.

Falando em uma conferência em Lisboa, Centeno disse que o BCE tinha que reverter a tendência de aumento da inflação e não podia deixar que ela se enraizasse na economia.

Questionado sobre se acha que o BCE deveria aumentar os juros em menos de 0,75 ponto, Centeno disse: "Não gosto de falar sobre aumentos antes (das reuniões)...(mas) acho que há muitas condições para que o aumento das taxas seja inferior a esse número".

A opinião dele parece coincidir com a do economista-chefe do banco, Philip Lane, que disse em uma entrevista publicada nesta segunda-feira que o BCE aumentará novamente as taxas de juros em dezembro e no próximo ano para combater a inflação, mas que esses aumentos podem muito bem ser menores do que os mais recentes.

Centeno observou que "as taxas na Europa continuam sendo cerca da metade das dos Estados Unidos", chamando isso de um bom indicador da diferença entre os fundamentos econômicos das duas regiões.

(Reportagem de Sergio Gonçalves)